sábado, 25 de fevereiro de 2017

Açúcar...

A miséria intelectual por aqui chega a tal monta que aquele que critica o uso abusivo do açúcar é imediatamente condenado como inequívoco defensor dos amargos.

Isto é, a estupidez de uma ideologia lançando sua própria cegueira sobre os outros.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Sobre você...

O que desejo é que você tenha todo o amor do mundo. Que o descubra aos poucos, no tempo certo de amadurecer, que é o tempo de melhor saber o amor em si. Descobrir o amor é saber amar-se. Saber amar-se é conceder a gentileza à inconsciência dos erros. Assim, que você se revele mais generosa consigo, despedindo culpas, mágoas, ansiedades e demais prisões. Que esta generosidade seja a luz a te esclarecer e iluminar os outros. Que você seja mais íntegra, honesta e leal consigo. O mundo a seguirá logo depois. O caminho se fará conforme a sua própria caminhada. Seja paciente com os seus próprios pés. O coração se fará abrigo para os que te amam e te querem bem. Será também janela para os seus ainda insuspeitos milagres.

(Carta enviada a uma amiga)

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Feliz-para-todo-sempre...

Creio existir nesta terra almas com facilidades para o desenlace dos nós que nós e outros tantos criamos. Gente sem muitas alergias. Gente com afinidades para aquilo que enxergamos como sorte. Assim como outras doem-se mais facilmente pelas intensidades com que vivem, sentindo com maior gravidade o peso das suas aflições, sujeitas às tempestades na maior parte do tempo. Estas, de propensão aos cinzas e não por coincidência, parecem levar com alguma exatidão seus pés aos espinhos. Cabe lembrarmos que quando tristeza em nós por demais visita, felicidade não bate à porta. Esquecido isso e convencidos ficamos pela sua lábia a não mais acreditarmos que somos destinados às alturas tantas e caminhos muitos que nos esperam os destinos. 

Afinal, ninguém deixa visita sozinha em casa.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Urgências e demoras...

[...] enquanto o tempo com suas demoras faz girar o mundo e acontecer a vida, com a tua inesperada travessia em mim, passei a sofrer de urgências. Depois de ti, não acompanho ritmos nem respeito prazos, os dias se dissolveram em noites e as noites em esperas. Antes de entardecer e já amanheço sem descansos. Antes de prometer e já me cumpro, apenas para adiantar-me de algum jeito. Sobra-nos tudo, falta-nos as horas. Sobra-nos desejo, falta-me a lucidez. Ando a dormir sendo metades em que parte busca-te por entre os sonhos, e a outra mantém-se alerta a esperar tua volta. Lanço-me ao passado para cumprir minhas lembranças, revivendo abraço que não foi dado e a palavra que não foi dita. Busco-te uma vez mais para corrigir minhas tristezas e apagar ausências que sabem meu nome, mas desconhecem o teu quando por perto. És a confissão do meu mais íntimo pensamento. Por isto, sofro,  porque o teu amor se fez espelho e, sabendo de ti meu amor, saberei de mim também.

(Guilherme Antunes & Jhully Inácio)

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Dos mistérios...

As infâncias nos ensinam encantamentos. Aí, quando adultos, o tempo vira relógio.

Deus, hoje, desalojado das preces despediu-se para fazer morada no amanhã:
lugar este onde estamos sempre a chegar.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Vassalo...

Acreditava minha avó ser o peito compartimento infinito para acomodar céus e infernos. A sua recomendação era de que se alimentasse o amor para moderarmos sua fúria sobre nós. Que se impossível os afetos, déssemos somente água, saudades ou alguma ilusão para que se distraísse de si e do seu próprio tamanho. Caso contrário, dizia, tornar-se-ia criança medrosa num poço escuro. Como se já não o fosse por aceitar menos do que si mesmo. Acreditava minha avó ser o peito lugar inevitável sujeito sempre aos próprios desequilíbrios e desmandos da cabeça: a raiva seria como charco de tinta negra a sujar os interiores céus; a mágoa como se uma nuvem morresse de voar, repetidamente. A felicidade seria a temporária ciranda das nossas verdades. Acreditava minha avó ser o peito hospedaria para sentimentos confusos que haviam sempre de ir no dia próximo. Apenas ao amor era concedido a solidão necessária para caber-lhe a própria companhia. Apenas ao amor, no peito, era concedido permanências. Aos sábios, como dono. Aos demais, como vassalo.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Sempre...

O amor toma-me sempre nos braços.
(imagem: @carolguimaraesfoto)

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Impede-nos

A própria clausura do fracasso impede-nos de percebê-lo.