segunda-feira, 3 de julho de 2017

Sobre ter nada...

Um bom salário. Um longo histórico de países visitados. Duas graduações e mestrados. Os pais ainda vivos. Os avós ainda vivos. Os amigos ainda próximos. Milhares de horas de vôo sobre os estados do país, as páginas dos livros, os lençóis da cama dos que amou. E um cárcere emocional por nada disso lhe dizer algo entre os silêncios da casa, por nada salvá-la das paredes da tristeza que sozinha construiu a separá-la dela mesma. Representando bem o seu papel era vitoriosa para o mundo. E o quê para si? Qual dos diplomas já lhe aliviou o peito? Qual das fotos e memórias lhe deu folga das angústias? O que um dia aprendeu que pudesse evitar a insistência no desamor? Sentia invejas, ciúmes e raivas sem jamais saber tratá-las. Sentia-se errada. Sentia-se um erro. E o que deveria despedir era o que a despedia. A culpa era o café que pelas manhãs bebia acompanhada de uma solidão resignada. Acreditava em Deus e em não poder ser outra. O que de nada adiantava. 

Nenhum comentário: