terça-feira, 6 de junho de 2017

Notícia...

Parece-me haver um brilho intenso na tristeza que tantos de nós paramos para apreciá-la, seduzidos pelo tempo a tonar-se costume de diante dela permanecermos. A felicidade decreta-se como ilusório destino e coisa móvel, escapável de molduras e artifícios para prendê-la perto; apresentando-se discreta e volátil entre gostos e prazeres que não a fixam jamais no peito. A tristeza, por sua vez, denuncia esta facilidade para manter-se como companhia a diminuir um pouco de cada um.

A tristeza é como a notícia da casa a demolir-se onde já fomos felizes.

Nenhum comentário: