terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Dependesse...

Ele aguarda. A cerveja gelar. O pagamento cair. O domingo para esquecer. O e-mail. A campainha. A encomenda. O aniversário. O jogo do campeonato. O sexo casual. O resultado dos exames. O final do ano. O começo das férias. Cada noite de sono. Cada cigarro aceso. E a cada amor perdido, ele aguarda sem saber. E na rotina que diariamente o ignora, ele aguarda como se nada aguardasse e de tudo dependesse.

Ele se aguarda. Mas não sabe disto.

Nenhum comentário: