terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Cantam...

Sabes, aquieta-se o tempo só para admirar-nos
e nos teus beijos em que renasço outro
e nos teus abraços em que refaço o mundo
calam-se os desnecessários verbos e outras mudas certezas,
pois, de sonhos falamos sobre a pele,
os desejos sopramos pelo ar.

Sabes, na tua boca bebo da própria poesia,

e os meus silêncios cantam todos para ti.

Nenhum comentário: