domingo, 23 de outubro de 2016

E que não perdôo...

O que foi que fizemos para sermos aquilo que não esperávamos? O que escolhemos para sentirmos o que não queríamos? O que nos aconteceu neste meio do caminho sem meios termos em que faltamos tanto para chegarmos a nós? Às casas abandonadas retorno como se pudesse corrigir a rota das felicidades ao encontrar-me comigo. Mas, com quem me encontro senão com fantasmas e agressões? 

Ameaço constantemente o meu futuro por conta do que sou. 
E que não perdôo.

Nenhum comentário: