domingo, 30 de outubro de 2016

Das pedras...

Com quanta força e com qual intensidade precisa a vida se chocar em nós para despertarmos das ilusões? Será preciso ardermos por inteiro para interromper caminhos que não aceitam nossos pés nem o nosso coração? Quão inevitável violência cabe a nos aguçar quando nos arrasta para sempre-longe dos nossos habituais confortos? A flor carece apenas da mais sutil mudança de luz ou umidade para acompanhar o tempo e as estações. O homem é o irmão mais velho das pedras.

(Do meu livro: "A Ilha de um homem só" da Editora Penalux)

Nenhum comentário: