terça-feira, 27 de setembro de 2016

O próprio peito...

Comprometidos com o tempo passado, presos ao nosso próprio futuro: entre todas as possibilidades e possíveis combinações, nós somos o que poderíamos ser. Não nos sendo possível sermos outros, aceitemos as versões que compõem a nossa história, aceitemos os lados e avessos que ora carregamos ora nos carregam. Ao navegarmos no rio do tempo, sopremos nós a favor ou rememos contra, somos e seremos sempre o nosso próprio destino.

Assim, sejamos generosos conosco, ainda que nos percamos entre as nossas marés. O melhor lugar para aportarmos será, se permitirmos, em nosso peito - a nossa casa.

Nenhum comentário: