sábado, 20 de agosto de 2016

Centopéia...

'Você já usou algum manual de redação?
Qual livro de técnicas para redigir você me indica?

Vez ou outra alguém me pergunta algo do tipo. Nunca parei muito pra pensar como escrevo. Destes livros, a única coisa que li foram as capas. Quando muito os índices. Tenho medo de pensar demais e desaprender; talvez por isso não tenha ido adiante.

Escrever, para mim, é como dançar a dois. Se eu puser a atenção detalhadamente em cada um dos movimentos, acabo me atrapalhando todo. Por isso apenas danço. Erro menos.

Sinto-me abençoado. As palavras me obedecem pelo carinho que a elas dedico. Elas se entregam a mim no instante que eu me entrego a elas. Caso de amor, sabe? Creio que só seja possível assim.

Isso me lembra a história da centopéia.

Uma vez, o besouro a encontrando, perguntou:

- Dona Centopéia, como a senhorita faz para andar?
- Ah?! Como?! Não entendi a pergunta.
- Como você caminha com tantas perninhas? Como se move, como se mexe, qual perninha você põe primeiro e quais as seguintes? Como você as sincroniza todas com exatidão?

E a dona Centopéia que nunca havia parado pra pensar nisso, nunca mais conseguiu andar.

2 comentários:

António Jesus Batalha disse...

Encontrei seu blog e é uma honra estar a ver e ler o que escreveu, quero felicitar-vos, pois é um bom blog, sei que irá sempre fazer o melhor, dando-nos boas noticias, e bons temas.
Quero aproveitar a oportunidade para partilhar o meu blog : Peregrino E Servo.
Vou ficar muito feliz se tiver a gentileza de fazer uma visita ao meu blog.
PS. Se seguir, fique a saber que irei seguir também seu blog, deixe o link.
António Batalha.
Peregrino E Servo.

ivani ramos disse...

Quem nasce com o espírito voltado às artes não precisa de manuais, pois a arte nasce sempre de alguma paixão. Bjos no ❤