sábado, 30 de julho de 2016

Apesar de...

O foda é que vivemos e temos que viver, apesar de. Apesar da tristeza, vivemos. Apesar dos medos, vivemos. Apesar do cansaço, vivemos. É uma lista infindável que colecionamos de apesares e inevitável é que a colecionemos. Vivemos apesar das dores: sejam nas costas, nas pernas, no peito que apesar de bater procura sentido para continuar batendo. Apesar do tempo que perdemos e do agora que não encontramos; apesar da ansiedade, apesar do passado, a pensar no futuro, apesar das falhas, ensaios, ilusões, desencontros, solidão, desejos. Apesar do desamor, amamos. Apesar dos boicotes, insistimos. Apesar do que incomoda, corrói, aperta, sufoca, atordoa, perturba. Apesar do mal estar e do bem-me-quer. Apesar da falta de sono, da falta de sonho, da falta de sorte; apesar do que é preciso esquecer e inevitável lembrar. Apesar das ausências, das neuroses, das cicatrizes, do horóscopo, dos remédios, das culpas, da lágrima, do sal, açúcar, glúten, lactose, alergia, intolerância, impaciências. Apesar das fotos, poses, mentiras, fugas, ressacas, vícios, esperas, insatisfação. O foda é que vivemos e temos que viver, apesar de. Apesar de vivermos tantas vezes sem viver; apesar de morrermos muitas vezes sem morrer...

Quem não haveria de ter um coração de herói?

Um comentário:

Poeta da Colina disse...

A pesar os pesares percebei que felicidade pesa mais.