quinta-feira, 16 de junho de 2016

Postura de amor...

Para compreendermos determinadas razões nesta vida, e sabermos respostas para os interiores temas da alma, faz-se preciso estarmos disponíveis às singelezas e aos detalhes que nos compõem. É preciso abandono das trivialidades que orbitam a personalidade e que nos distraem. É preciso adormecer medos com sucessivas felicidades, acalmar aflições com abençoada fé, dispensar vícios convidando as superiores e esquecidas imensidões de nós. É preciso dose de coragem e desapego do que não nos serve e não mais nos cabe, abrindo espaço no peito para habitarmos a versão mais bonita de nós. Faz-se preciso atenta sensibilidade que costumamos dispensar ao longo dos cansaços e erros para encontrarmos conosco mesmo. 

Em suma, faz-se preciso estar na postura de amor.

Um comentário:

Poeta da Colina disse...

É preciso tempo, que julgamos sempre ser escasso.