segunda-feira, 9 de maio de 2016

Sentido de existir...

Entre as evidências e a própria ignorância, costuramos jeito que amamos e vivemos, como contínuos sustos de que nunca nos recuperamos. Estamos tão à mercê do mundo que o corpo nos é nossa casa inteira. Uma casa com requintes de sonhar; cheia de segredos. Lugar onde fabricamos continuamente o sentido de existir e continuamente esquecemos que ali existimos.

Nenhum comentário: