domingo, 15 de maio de 2016

O menos amargo...

O menos amargo. O tédio para os domingos. O chá para dores no corpo. As lágrimas para a persistente tristeza. As impaciências. Os amores nunca mais celebrados. O medo. As distrações. As metades. As defesas. Os ciúmes. A compulsão. O descontrole. Os dramas. Aquilo que contamos. O que acreditamos. O menos amargo. A redução dos danos. O controle de qualidade. Os medos. Os sintomas. As ansiedades. A insônia. As terapias. Café com adoçante. O sódio. O açúcar. O amor próprio. A falta dele. A inveja. A luxúria. O espelho. A superfície. Os elogios. As alternâncias. O tempo. O rascunho. A mediocridade. O arrependimento. A culpa. A desculpa. O interesse. A dúvida. As dívidas. As férias. Os sonhos. A agenda. A semana. O expediente. A discussão. As mentiras. O menos amargo. A recaída. Os recomeços. As mágoas. O que não vai embora. O que não despedimos. Os vazios. A não entrega. O não perdoar. O menos amargo. Qualquer coisa. Qualquer festa. Qualquer um. Qualquer dois. As lágrimas. A cama. O cansaço. O poema. O alívio. As vidas perdidas. A inconsciência. Os amores perdidos. O menos amargo. O tédio para os domingos. A cerveja. O churrasco. A torcida. O amanhã. O mais do mesmo. O non sense. 

O sentido.
Assim, qual?

Nenhum comentário: