quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Se escute...

Há sempre algo para ouvirmos em nós e em nós nos reconhecermos.

O que nos pede o corpo? O que nos aponta a ansiedade? O que nos cala o medo? O que grita a raiva? O que nos revela a dor? O que esconde o orgulho? O que oculta o egoísmo? O que mendiga a carência? O que exigem os ressentimentos? O que nos confessam os sonhos? O que nos avisa a intuição? O que nos fala o espírito? O que nos demonstram os barulhos? O que nos ensinam os silêncios?

O que é o desequilíbrio senão linguagem a avisar-nos sobre aquilo que não ouvimos?

2 comentários:

ivani ramos disse...

Guilherme, que prazer imenso é todos os dias abrir sua página e poder deleitar-nos com suas palavras. Sim, há sempre algo para ouvirmos em nós e muitas vezes nos reconhecemos em suas palavras. Seus escritos, sua poesia têm a magia de nos ler, de nos falar e talvez seja por isso que o escutamos tão bem. Só se lê bem aquilo que é lido com algum propósito pessoal. Ler é traduzir, pois a experiência de cada pessoa com o texto é exclusiva. Obrigada, por vir trazer-nos seu canto e encantos a cada novo dia. Beijos na alma!

Solange Duarte disse...

não digo que voltei, porque eu nunca fui..

bjs.Sol