domingo, 6 de dezembro de 2015

Ele está nu...

 [...] no final das contas convocam-nos as tristezas para que sempre fiquemos nus diante de quem mais importa: nós mesmos.

Pois é da característica mesma dela solicitar-nos tal nudez para que venhamos a saber como vestir-nos com novas e outras roupas, visto que a tristeza é o preciso sintoma que aborda-nos para dizer-nos entre algumas coisas que as roupas que temos não estão mais a servir.

Mas insistentes somos em recusar tal conselho e pedido; e quão fácil encontrar maltrapilhos pelas ruas que diariamente atravessamos.

Entre eles, quais de nós?

Nenhum comentário: