quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Congestionado....

Eu, congestionado de palavra outro dia procurei mulher a saber soltar poema preso no peito. Assim que a encontrei exigiu-me de imediato que inspirasse fundo enquanto contasse até três. Beijou-me inesperadamente a boca pelos eternos dois segundos de antes.

Curava-me:  afinal, o que haveria mais para mim senão suspirar? 

- Teu poema preso era este sorriso - dissera-me. 

E me pediu retorno.

Nenhum comentário: