quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Uma vez mais...

uma vez mais tratarei de lhe falar sobre a elegância das nuvens
explicando-lhe a importância da primavera 
a necessidade dos invernos;

uma vez mais faremos amor pela primeira vez;
falarei poemas. não importa se meus ou de outros, 
visto que são poemas;

uma vez mais dançaremos no quarto qualquer canção que escolheremos nossa;

uma vez mais descobriremos o lirismo dos silêncios;
uma vez mais lhe darei broncas por seres tão injusta consigo;
uma vez mais desconheceremos quando voltaremos a doer;
e da inocência faremos a cura da inocência que perdemos;

nossos dias são lugares felizes, amor
nossos corpos tem ângulos exatos
coragens e covardias nos serão exatamente suficientes.

amo-te para acalmar as horas todas
beijo-te com a urgência de um para sempre
deixa-me tão aberto ao mundo para que não precise dele;

uma vez mais, amor,
era este desassossego
de que precisava.

Um comentário:

Anônimo disse...

Maravilhoso!!! Impossível não se apaixonar por você.