terça-feira, 28 de julho de 2015

O amor mesmo...

O amor, meu filho, tanto retira quando nos dá. Dá-nos certezas tirando-nos as certezas. Dá-nos raízes arrancando-nos as velhas. Dissolve-nos do medo brindando-nos com outros medos tantos. Assim serão com os descansos que viremos a ganhar e a perder, coragens que descobriremos e coragens que não saberemos mais. Assim será também e principalmente, com a nossa própria lucidez.

Apenas uma coisa concede-nos o amor sem de nós retirar. E devo lhe dizer que é a mais preciosa das coisas todas que poderiam ser nos acrescentadas:

O amor mesmo.

Nenhum comentário: