terça-feira, 21 de julho de 2015

A iludir-nos...

As pessoas parecem-nos melhores quando longe, meu filho, estejam elas de nós separadas pelos passos ou pelo tempo. As distâncias atenuam feiuras e não sei se é questão dos olhos por iludir-nos de perto ou de longe, tornando-nos severos se perto, generosos se longe. A única coisa a parecer-me corrigir isto são as saudades. As saudades, seja a pessoa como for, fazem com que pareça-nos sempre melhor quando perto. 

A saudade embora amarga, filho, traz consigo oculta seus carinhos.

Um comentário:

Cecília Braga disse...

Verdade. Na sua condição de só podermos "semi-dizê-la", a La Lacan. A proximidade por vezes faz brotar no defeito a possibilidade do encanto. E a distância, as vezes aguça os sentidos para captar o erro.
Belo texto.