domingo, 26 de abril de 2015

Perdoa-me...

Pudesse eu chorar esta tua tristeza presa no teu canto.
Pudesse eu ouvir e tu falar da tua dor, diminuindo-a apenas por me dizê-la.
Pudesse eu apagar teu desapego e aliviar tuas dores de vento.
Pudesse eu apanhar no teu lugar, por doer-me menos deste jeito.
Pudesse eu tirar com as mãos os teus escuros todos de dentro.
Pudesse eu te promover a passarinho, converter-te em nuvem, celebrar-te riacho, tirando tuas intenções tolas de pedra.
Pudesse eu fazer-te semente uma vez mais e lhe prometer as primaveras.
Pudesse eu reanimar teus passos e ressuscitar teus sonhos.
Perdoa amor, por ser abraço somente alívio, e por ser ombro mero descanso.
Perdoa amor, por não conseguir fazer do meu corpo o teu recomeço.

Perdoa meu amor, por curar-te apenas na poesia.

2 comentários:

Ale. S. disse...

Ando desejando perdão poético... Amei

Cecília Fagundes disse...

Quanta dor tenho passado pelo simples fato de não sentir vc. do meu lado...Amei a poesia coube direitinho.