segunda-feira, 2 de março de 2015

Não dizia isso a ninguém...

Aqui ele era o rei absoluto do seu reino, mas por dentro não era nada mais do que um mendigo. Era o senhor das suas responsabilidades, mas escravo de si mesmo. Conquistou muitas e muitas terras, mas nenhum pedaço de céu. Conquistou também muitos sorrisos, mas nunca o seu próprio. Era amante das distrações e de tudo o que era temporário. Suspeitava jamais se encontrar ali. Dizia saber muitas coisas, e disso se orgulhava. Só não sabia como ser feliz. Não dizia isso a ninguém.

3 comentários:

B. disse...

Nem sempre somos o que aparentamos... As vezes, cuidamos dos outros e esquecemos de cuidar de nós mesmos. Gostei das antíteses, deu um toque peculiar ao texto.

Lúcia Mel disse...

Dizem que para um bom entendedor meia palavra basta, e eu afirmo, para um bom observador nenhuma é necessária.

savannah disse...

adoro