quarta-feira, 11 de março de 2015

Inocência...

A inocência, meu filho, faz do coração morada para pequenas alegrias. Não lhe cabem outras maiores. A pureza tem dimensões estreitas e veja que, não sei se isto é obra do acaso ou de distantes deuses, nosso tamanho corresponde ao do próprio coração, tal qual nós a cabermos na exata medida das nossas sombras. Para que no peito entrem maiores alegrias e a felicidade - que dizem ser a maior delas - faz-se essencial acolhermos os sofrimentos, inéditos e graúdos mais que a inocência, vindo a lacear coração aumentando-nos os espaços. Apenas assim, meu filho, estaremos prontos para bençãos e amanhãs. Os amanhãs serão sempre maiores do que o que nos cabe hoje.  

Um comentário:

disse...

Bela reflexão. A inocência absolve qualquer um.