sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

As superfícies...

Cultivamos as superfícies pois desaprendemos a enxergar os invisíveis todos que nos compõem e saber das verdadeiras riquezas que carregamos. Através do outro nos reconhecemos, mas o outro não pode ir muito além. Aí então consumimos elogios e críticas sem saber quem somos. Sofremos por não saber quem somos. Sofremos como se o outro dissesse a verdade sobre nós.

2 comentários:

Wendel Valadares disse...

"Eu sei quem sou. Os outros me imaginam". (Fábio de Melo)

Sensacional, meu caro poeta, como sempre.

Forte abraço.

Poeta da Colina disse...

Hoje há quase uma vontade recíproca de não ir além dos olhos. É medo, mas de si ou dos outros.