segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Calar as cicatrizes...

Será que ela já se vê pronta para deixar seu passado? Abandonar cenários e festas e dores e sintomas que ainda sente? O que a deixa ainda calçada nos sapatos pertencidos aos caminhos que não mais florescem porque não podem? Quais os medos de antes traz ela para o depois? Deveria seu coração saber que a luz do dia novo há de dissolver a densidade dos escuros. Deveria despedir-se do vazio que a ronda a permitir o cheio que a preenche. Gritam assim os anjos para que não adoeçamos com as poeiras de capítulos que não merecem a releitura. Assim também espera seu amor que lhe aguarda para escreverem juntos os acertados destinos a que merece. 

Devemos calar as cicatrizes.

2 comentários:

Rosamaria disse...

Nem todas as cicatrizes devem ser fechadas, algumas devem ficar expostas para não esquecermos o que nos feriu. Eu não costumo me despedir das dores, estas por mais que me machuquem, me re(lembram) que o caminhar sempre é compensador.

Beijo.

Beth Soares disse...

Adorei! Parabéns pelo belo e profundo texto.
Que venham sempre outros mais.

Grande abraço.