quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Escuta-me...

Ela nunca me escutara. Ela nunca realmente me escutara. Quantas não foram as vezes a dizer-lhe para que não fosse intensa demais, doída demais, derramando-se demais por cada copo cheio, cisco no olho, topada, espinho no pé? Que não fizesse de riacho inundações, pois inundava a ela e a mim. Eu então me afogava e morria. Pedia-lhe que da interminável guerra contra o mundo a lhe oprimir o peito, escolhesse melhor suas batalhas. Ela nunca me escutara. Lutava todas, sofria todas, doía todas. Eu me cortava todo, e inteiro morria. Ignorava-me solenemente como se só falasse coisas erradas, enquanto ela calada vivia cruzada interminável contra a tristeza e as misérias. Não percebia ela que a tristeza nela morava, mas que na mesma morada eu também residia. Dizia-lhe que não se deixasse levar, pois era eu que cada vez mais partia. Dizia-lhe que atravessasse esperançosa os capítulos densos, mas era eu quem me arrastava e nas páginas todas me perdia. Dizia-lhe que só a morte não passa, apenas a morte. Pedia a ela que me ouvisse. Deu 'não' aos meus avisos de não pisar no jardim do amor que cultivávamos, estragando todo o amor que ali crescia. Ela nunca realmente me escutara. Dizia-lhe que se se alegrasse, seriam os dias mais longos e as dores mais curtas, e o amor alcançaria-a descansado, fazendo-me descansar também sem medos ou melindres. Ela nunca me escutara. O excesso de vida doeu-lhe a vida mesma, faltando-me a mim nela continuar vivendo também. Hoje, peço a ela que me escute. Apenas para que o tempo nela pouse. Apenas para que o atravesse. Apenas para que sobreviva. E quem sabe ame, ainda que mais uma vez.

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Prontidão...

Cumpre ao amante depositar seus inteiros nos braços da amada, confiando possibilidades aos hábeis tecelões em que nomeamos destino. Cabem aos que amam despedir medos de semente em não se saber um dia raiz. Solicita o amor as interiores habilidades de despertencimento e desapegos. Pede o bem-querer a prontidão de luz que em nós se distraiu; porque somos os inevitáveis servos dos encantamentos que traz a vida, quando nos atravessa com nomes e os cheiros do outro. Curvando espírito em gratidão, bebemos todos das bençãos no rio do tempo. Devedores dos frutos que colhemos, o amor é o real credor dos nossos perfumes.