quarta-feira, 18 de junho de 2014

Pressa...

Queria dedicar-me mais às minhas tristezas, saboreá-las com calma e cuidado os seus amargos; dar sentido e peso - exato ou maior - a cada uma das minhas lágrimas. Queria remoer-me muito mais pelos cantos de casa, não somente pelo que não fui, mas por quem não serei, permitindo-me ser menos do que sou. Desejaria deixar-me sucumbir e estilhaçar diante da rotina dos dias que opressora e urgente cobra-me prontidão, ignorando minhas necessidades de ausência, distância e recuperação. Queria consumar-me no insuportável silêncio que denso preenche o quarto, a prender-me inerte e sem vida entre os lençóis, restando-me energia apenas para dissolver-me ao longo das madrugadas em minuciosas análises de perdas e perturbações, sem mais fazer as pazes com o sono leve. Queria atravessar as tardes alimentando-me com repetidos pensamentos de derrota e auto-boicote. Sentindo anestesiado o espírito, gostaria apenas de dores pontiagudas no peito. Queria ver-me de vítima frente ao espelho, abandonar em algum lugar a ser esquecido, a paixão e a fé. Gostaria de poder envenenar a inocência que carrego, lentamente. Desejaria todos os céus nublados, para que acompanhassem os meus humores, que os invernos soubessem de mim e durassem anos, que as janelas não anunciassem nunca mais o amanhecer. Gostaria de passar feriados inteiros com minhas frustrações, cultivar remorsos e sentir doenças. Queria sentir-me íntimo das angústias e lembrar-me com riqueza das ansiedades todas com quem convivi. Queria curtir um sossego com as minhas desesperanças. Mas não posso. O amor me convidou para sair. Não tenho tempo para nada disso.

5 comentários:

Kelly Cristina Costa disse...

Nossa! Ma ra vi lho so!

Poeta da Colina disse...

Ah se formos velar cada parte que se perde da gente....

Elyane Lacerdda disse...

Não ter tempo para curtir tristezas é muito bom, pois ter tempo para amar é a melhor coisa.
Adorei seu poema!
Muito introspetivo, e gosto muito desse estilo!
Bjus
http://www.elianedelacerda.com

B. disse...

Eu gosto da forma como você dispõe seus sentimentos através das palavras. Você sabe fazer isso muito bem, de uma maneira que me comove e me faz refletir.
É bom saber que embora você "queira" ter essa melancolia, a vida lhe sorriu e lhe trouxe o amor, que está acima de tudo isso.

Gabriela Castro disse...

Lembrou-me aquela frase: "Não tenho tempo para mais nada. Ser feliz me consome muito.". Saudade daqui, Gui. Beijos