quinta-feira, 12 de junho de 2014

O amor é uma linguagem de sinais...

O teu pouso em mim fez alongar os dias e alegrar os passeios. Contento-me hoje com qualquer cor, escuto preces nas vozes do vento. Amar-te faz que tu sejas inventada para a beleza, pois apenas através da tua boca posso saber das primaveras. Ponho coração em romaria para encontrar teu nome e não mais regressar, visto que o amor é um gesto sem retornos. E os olhos que trago são para ver-te nascer entre as folhas do tempo, a pele para no teu corpo sentir o fim dos meus invernos. Na sorte de silêncio que não comparece tristeza, festejo poesia das coisas inteiras que tu me dás e nunca possuí. Calo-me por isso; para que cantes. O amor é uma linguagem de sinais.

2 comentários:

Poeta da Colina disse...

Pobre dos poetas que vivem das palavras.

Gyzelle Góes disse...

Perfeito. O amor é a própria poesia, metalinguagem.