quinta-feira, 17 de abril de 2014

In memorian...

Quando morre um poeta, magoam-se as palavras.
Quando morre um poeta, apagam-se os poentes.
Quando morre um poeta, fecha-se sempre uma janela.
Quando morre um poeta, calam-se as tristezas.
Quando morre um poeta, põe-se a morte em luto a lhe esperar.
Quando morre um poeta, adormecem-se os encantos.
Quando morre um poeta, órfãos todos os mortais.

Quando morre o poeta, o silêncio se faz seu último verso. E um dos mais bonitos.


::: em memória de Gabriel García Márquez :::

4 comentários:

Fabiano De Paula disse...

Goste muito, parabéns!

Karine Tavares disse...

Parabéns pelo teu blog! Lindo!

Vem conhecer o meu:
feitaparailetrados.blogspot.com

Poeta da Colina disse...

"Em Mangueira / Quando morre um poeta / Todos choram..." - Cartola , Pranto de poeta.

Skyline Spirit disse...

pretty nice blog, following :)