sábado, 28 de dezembro de 2013

Crenças...

Buscadora de si, pisou na areia com pés firmes, abrindo mão dos falsos atalhos que escolhera. Navegou por toda sua vida de antes, com velas içadas a ser levada pelo sopro de outras vozes, ideias tantas e conselhos muitos. E assim, chegando onde não queria, alcançou lugar nenhum. Hoje era o primeiro dia de um ano inteiro a lhe revelar o novo e, entre todos os que lá estavam a contemplar céu colorido e beber champanhe, esperava ela sua primeira promessa do porvir vinda de dentro. Queria traduzir-se amanhã e depois em muitas versões de si mesma, a desmentir o velho triste e a colher próspero interior a florescer madurez. Cansada de levantar muralhas a cobrir o infinito das bençãos procuradas ou, de querer saber qual lado da moeda se irá mostrar, abandonou seus pedaços, seus cacos e suas crenças: pular sete ondas, acender sete velas, colher sete rosas, dar três pulinhos, notas no sapato, lençóis limpos, comer lentilhas, romã, uvas, folhas de louro; não mais entregaria ao destino a boa sorte. Agora, era ela a boa sorte a não mais esperar o mar lhe trazer conchas bonitas ou pedras opacas; resolveu decorar ela mesma de formas novas e cores outras a sua vida. Remaria contra a maré, mas com o vento a seu favor.

(Guilherme C. Antunes, vulgo "eu", em 05.01.2011)

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Feliz Natal...

Pai, verso esta oração pois Tu estás nas minhas mãos assim como eu estou nas Tuas. Vives Tu nas minhas palavras assim como em Ti eu também sou verbo. E nos meus olhos, és semente que confessa a cor dos frutos, o nome de um rio que se rende ao mar, o filho pequeno que abraça a mãe. Pela Tua palavra aprendi a respeitar o inverno, esperar pela primavera e aceitar minhas colheitas; aprendi a ser verão e a voar com as andorinhas. Abençoa-me como abençoas o grão-de-areia, o vento e as estrelas, pela igual oportunidade de habitar a Tua casa. E que o eterno em mim se anuncie, afastando o veneno do meu sangue, os espinhos das minhas flores, o egoísmo dos meus amores e as lanças das minhas mãos. Torna-me doçura quando eu souber ser só amargo; torna-me cura quando souber ser só destruição; torna-me descanso para vestir todos os meus sonhos e torna-me Amor, como resposta para cada pergunta da Vida. Conceda-me todas as sombras da floresta para eu caminhar com a minha própria Luz. E se eu cair, ferir, morrer, matar, sofrer, perder, errar; perdoa-me com o recomeçar, com o novo, com a coragem, com a gratidão por tudo aquilo que fui e pelo que ainda serei; e também com a certeza de que o Senhor é meu pastor, e nada me faltará. 


(Guilherme C. Antunes, vulgo "eu", em 'O Verbo...')

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Calendário...

Tem gente que passa o ano inteiro dormindo e só resolve acordar às vésperas do novo ano; talvez pra voltar a dormir novamente. Tem gente que depende somente da sorte e não das próprias escolhas. Tem gente que irá consultar a previsão do horóscopo, o I Ching, pular 7 ondas, pular num pé só, combinar cores e fazer simpatias como se isso traçasse seus novos caminhos, pois tem gente que vive das sempre mesmas promessas de final de ano. Gente que diz acreditar no amanhã apenas pra empurrar o hoje com a barriga. Tem gente que perdoa o imperdoável para continuar acreditando no amor. Gente que não sabe que a diferença entre crer e saber é a mesma entre muleta e a chave da prisão. Tem gente que se acostuma com adoçante ao invés de doçuras. Que acredita que uma folha a menos no calendário possa ser sua redenção. Ou que pensa que só o amor de alguém possa ser sua redenção. Tem gente que coleciona entulho a vida inteira pensando ser algo de valor. Tem gente que guarda dinheiro e deixa tudo no caixão. Gente que pensa ter a vida inteira e resolve deixar para depois. Tem gente que muito se acha quando na verdade nunca se encontrou. Gente vivendo de sonhos mesmo se alimentando de ilusões. Gente que diz saber do mundo e mal conhece suas solidões. Gente que se acostumou ser gado porque está bom assim. Gente que pensa que pensa e ao final não pensa nada. Somos viciados em tentativas e dependentes de recomeços, que se servem do tempo para nos amansar a pressa e enrugar a pele, partir a Alma e salvar os sonhos, pesar o corpo e libertar o peito, denunciar o Amor e reparar enganos, perder de vista tristezas, perder a conta das lágrimas e não poupar sorrisos, repousar nossas verdades no colo após o cansaço das vidas caminhadas. Ninguém é tanto tempo feliz por mais que queira, nem triste o tempo todo por mais que consiga.

(Guilherme C. Antunes, vulgo "eu", em 17.12.12)

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Resoluções...

Aquele frio que lhe cortava a alma, era vento forte de tempo fechado ou desilusão dos sonhos bonitos de ontem? Pois, insensível aos apelos do porvir, andava cego às gentilezas da vida e surdo às do coração. Abrigou da dor, no seu colo, a própria vida. E cansado de ser mau jardineiro a pisotear as flores que o tempo um dia o brindou com sementes muitas, queria agora semear presença a adoçar sorrisos e curar feridas. Queria voltar a ser quem nunca foi e, aprender o que ainda não havia aprendido: saber que no palco da vida, ele é na verdade, seu único e próprio antagonista. Cansado de refletir tristezas; passou a espelhar em si, amor; passando com isso a cultivar o novo e com o novo, o bonito. E enquanto bonito, não permitir ir embora a esperança. Há ainda de reconstruir caminhos antigos por onde a serenidade trilhou; a denunciar pelas suas próprias confissões a sua fé e sua vontade de recolher por lá, amor hibernando a despertar faminto. Queria também trazer você pra perto e fazer do teu colo, confessionário. E dos teus olhos, o seu espelho; da paixão, o seu abrigo; e do céu, o seu telhado. Carregava consigo tantas vontades engarrafadas; a guardar em vidro bonito o teu carinho para aqueles momentos em que o cansaço mais chama o nosso nome. Salvar-se-ia de vez, daqui pra frente. E sem resoluções a fazer, ele só queria se olhar e descobrir quem ele era de verdade.

(Guilherme C. Antunes, vulgo "eu", em 16.12.10)

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

A menina que colecionava abraços...

Era uma vez menina que colecionava abraços. Da terra distante de onde veio, dizia ela que abraço era assunto apenas dos adultos, como a lista de compras da mãe, as notícias do jornal que lia o avô ou os negócios do seu pai. Menina acreditava que abraço, além de ser coisa de crescidas gentes, era proibido como palavrão! Uma vez espetou dedo numa farpa e falou bem alto dor vestida de palavra, que aprendeu escondida ouvindo seu pai quando desacontecia algo com ele. Achava guria engraçado mas aprendeu que sua mãe não, dizendo que repeti-las faria menina diminuir até para sempre desaparecer. Ficou com medo e pensou que abraço fosse igual porque ninguém em casa praticava esses interessantes apertos. Deveriam mesmo causar coisa ruim. Só soube o que era quando perdendo sono no meio da noite, foi até a sala e viu filme em que um casal de fala esquisita se olhava com olhar de parar o tempo, e de bocas coladas se abraçaram. Parecia algo bonito, e foi guria começar a sorrir com a cena que veio seu pai todo bravo desligar televisão. Mas como tudo que é proibido dá vontade, um dia menina correu no quintal e abraçou árvore enfeitada de passarinhos. Esqueceu-se de si quando fechou os olhos e sentiu que ser abraço era gostoso. Sentiu-se a árvore, o passarinho, o por-do-sol, o infinito. Passou a cometer escondidas proibições no quintal para poder amar de pertinho a natureza e em silêncio florescer. Começou a descobrir que abelha abraçava flor, oceano abraçava rio, chão abraçava os pés, noite abraçava luz, Amor abraçava medo. Suspeitou que abraço era feito de mundo e o mundo feito de abraço. Uma tarde ouviu de longe seus pais brigarem triste como um final de férias. Suspirou e resolveu resolver aquilo lá. Correu em direção do pai e abraçou suas pernas, calando-o. Depois se virou e abraçou a mãe, derretendo-a. Aí então sorriu e apontou ordem para fazerem o mesmo. Abraçaram-se. A briga parou, a dor cessou e soube menina, abraço ser remédio sem gosto ruim de xarope. Servia para nos melhorar mas com jeito de sobremesa. Dali em diante menina começou colecionando abraços a combinar com seus sorrisos, para distribui-los todos na sua rua, a ensinar na escola e a falar de afeto que gostoso aperta quando alguém deslembra que no outro a gente pode crescer e ser feliz.

domingo, 1 de dezembro de 2013

Se o Amor acaba?

[...] Se o Amor acaba? Sim, e o que permanece é a memória. Quando imersos no Amor, ali, naquele instante, temos a permissão das palavras para jurá-lo eterno. E de senti-lo eterno. Ali, sabemos porque sentimos, e sentimos que amaremos para sempre. Isto porque o Amor nos devolve às dimensões da Alma onde a Alma é, mas o tempo não. O Amor habita apenas o tempo presente em que, inteiros e dispensados do compromisso com os calendários, podemos abraçar os destinos. O Amor permite temporariamente saber-nos atemporais, e concede a graça de nos sentirmos maior que o próprio mundo, tornando-se a nossa própria vida. Assim, sentimos que amaremos até a morte e depois dela, mas o Amor antes tem seu fim porque damos um final a ele. Sufocamos seus imensos com nosso tamanho, dispensamos sua generosidade com nosso egoísmo, atentamo-nos aos espinhos e ignoramos flor, não permanecendo sua força por conta das nossas fraquezas. Por inaptidão, despedimos hóspede que gostaríamos residente, retornando à nossa limitada condição em busca de voltarmos à casa que nós mesmos fechamos a porta. Para cada encontro e para cada tristeza, melhor fica o coração para abrigar o próximo Amor.