segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Convenientes...

Se não reconhecermos as sombras que nos acompanham, por elas poderemos ser carregados. Nos dizemos reféns das explicações que habitualmente contamos, mas que de nada nos libertam, vestindo-as como justificativas dos erros futuros nos quais reincidiremos, tranquilizando-nos dos incômodos acumulados nos cantos da nossa zona de conforto que justificam, isto sim, de forma legítima, nossos comodismos. Costumamos fazer dos amanhãs o bode expiatório da nossa falta de coragem. Adiamos nossa responsabilidade, não nos assumimos no tempo certo e nos atrasamos sempre para ser o que gostaríamos. É muito mais fácil sermos felizes sempre no passado, aquele que não volta mais, consultando tão-somente as interessantes e convenientes lembranças que pretensamente nos melhoram e nos aliviam, e por isso nos convencem. Somos as convenientes vítimas de nós mesmos.

5 comentários:

Anônimo disse...

Perfeito!

Poeta da Colina disse...

Sempre colocamos a felicidade como passado ou algo a se conquistar, mas qualquer dia desses precisamos encarar ela no aqui.

Anônimo disse...

Dispensa comentarios.... Perfeito

IsaBele disse...

Sim, somos...

Francisco Teles disse...

Realmente, simples como descreveu. Parabéns pelos textos