segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Desembrulhar...

Toda criança vê desnuda a poesia das coisas. Quando adultos vestimos razões e conceitos, crenças e lógicas que muito nos pesam e se põem entre nós e as coisas mesmas. Assim crescemos e desaprendemos a ver; com o tempo crescemos e esquecemos de como ver realmente. Daí que enxergamos a Vida através e pelo outro lado das nossas ideias, que desbotam as vivas cores e formatam nosso enxergar para os pragmatismos e para a repetição das trivialidades. O poeta é uma lembrança de que vez ou outra precisamos nos desembrulhar e desempoeirar o olhar, encontrando-nos disponíveis para os milagres e imensidões viventes além da janela do nosso cotidiano. O poeta é um convite para deixarmos de lado o cansaço e as seriedades refletidas nas desgastadas lentes da Alma. O poeta é um rememorar que nos diz que a poesia nasceu com os olhos.

2 comentários:

Anônimo disse...

Perfeito, Poeta! Como tudo que escreves... Perfeito!

Priscilla Calaça

Poeta da Colina disse...

Tudo pode ser simples como o olhar. E tudo pode ir além como a poesia.