segunda-feira, 1 de abril de 2013

Livro: A Ilha de um homem só.

Eu jamais imaginei que um dia, Ilha ganhasse imensidões de mar, em que eu pudesse me saber palavra, e que palavra ganhasse jeito de ponte, porto e abrigo. Não sabia que um dia, poesia pudesse me levar pra tão longe e trazer você pra tão perto, ou que o infinito soubesse algo das reticências, e que verdades e mentiras namorassem nas entrelinhas. Eu, que aprendi também a ser ponto final sem machucar, travessão e não dizer, silêncio e me confessar. Eu, tão inexato, aprendi a ser preciso ao te alcançar; ao revelar na escrita aquilo que nós nem desconfiávamos. A Ilha é na verdade, continente, em que habitam todos os nossos possíveis. Vim lhe contar das versões de nós que reconheci nas marés-de-mim...

4 comentários:

Mina Cara disse...

Que beleza. Parabéns pelo livro.

Izabela Cosenza disse...

que alegria, Guilherme!!

mais uma merecida moldura para sua escrita.

beijodocedeparabéns

iza =)

Luzia Trindade disse...

Parabéns!

Tânia F. Quaresma. disse...

Parabéns mais uma vez Guilherme! É certo que mereces toda a imensidão que tua ilha agora tem, seus textos são incríveis. Tenho certeza que todos os visitantes da tua ilha sentem as mais diversas emoções diante das tuas palavras, e eu sou uma delas. Parabéns mesmo, é bom saber que agora todos nós poderemos ter mais um pouquinho dessa ilha, que agora caberá muito mais corações. Eu, infelizmente, não tenho como estar no lançamento, mas quero que me digas depois como posso fazer pra adquirir! Parabéns novamente, beijos!