terça-feira, 5 de março de 2013

Descabimento...

Quando saudade não coube mais na espera, 
despedida se tornou silêncio, 
e corpo se esvaziou de Alma,
doei às palavras a minha própria solidão. 
Tornei-me poeta pelas urgentes dores 
que me trouxe o tempo...

3 comentários:

Poeta da Colina disse...

Pois não há nada que não caiba na palavra.

Milene Cristina disse...

As palavras nunca nos deixam sós.Pode-se transformar saudade em abraço, lágrima em oceano bonito de se olhar. Trazer amor distante pra perto de nós.

Almi Junior disse...

As urgências nos tornam poetas. As esperar nos tornam poetas. Na verdade, qualquer pretexto nos torna poetas.