segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

O menino-lápis-de-cor e a girassol...

Aos desavisados olhos, digo uma verdade: existem certas estórias que não contam com pé nem cabeça. Algumas nascem apenas com pétalas, cores e por do sol. Assim, era uma vez um menino-lápis-de-cor e uma girassol. Que se apaixonaram no quintal atrás de casa, quando mataram sede no mesmo riacho de poesia. Girassol gostava das prosas que o silêncio do menino inventava, e também das mãos que descoloriam os cinzas das coisas. Menino admirava girassol quando vestida de sol e enfeitada de flor chamava sua atenção para os milagres. Com exatidão, sabia ela apontar lado iluminado da vida que menino desconhecia. E fazia das abelhinhas, sílabas dançarinas a levar doçuras por aí. Menino gostava de tudo nela: caule, folha, flor e perfume. Girassol só não gostava das habituais distrações do menino, quando este saia para colorir ventos e desenhar horizontes em que se descansava e se esquecia por dias de voltar. Com ciúmes, começou a querer primavera toda para ela (que os invernos se espalhassem nos jardins alheios!), para que o menino fosse beber das cores tão-somente no seu amarelo. Resignada com tristeza de orvalho, sabia ser ele prometido ao azul do céu. Trazia os frutos de um amor sem raíz. E do jeito avesso do menino-lapís-de-cor que apontava caminho, desapontava as promessas, desenhava levezas e apagava amargos, coloria girassol de ouro-riqueza, sol-sabedoria e quindins. Às noites em que ela não trabalhava, pedia baixinho às estrelas para que se tornassem livro, a viverem juntos do outro lado das palavras. Atendeu dona poesia com carinho, tornando-os cor e personagem. Viraram quadro de Van Gogh.

8 comentários:

Verluci Almeida disse...

Guilherme Antunes, Bom Dia!
Adorei...
O menino-lápis-de-cor e a girassol...
Sucesso sempre, meu amigo!

Loridane Melchior disse...

Que lindo, Guilherme. Terminei de ler com uma vontade enorme de guardar cada palavrinha em uma caixinha bonita ou em um quadrinho na parede. E também de escrever um bilhetinho pro menino-lápis-de-cor e para a menina girassol.

Para você, um beijo.

=)


Deise Lima disse...

Aaaaaai caramba!
Não sei nem te descrever direito quais foram as minhas expressões ao ler esse texto, só sei que teve um encantamento no começo pela doçura do início de história, depois foi me sorrindo devagarinho com a historinha dos dois e no final abri um sorriso largo ao ver no que esses dois apaixonados se tornaram! Ai ai, moço! Muito obrigada por me proporcionar essas sensações! Esse blog é pura poesia, delicias de ler!
Abraço!

Raoní Kempfer disse...

Texto divertido e embalante, gostei :D

Até Sempre disse...

parabens ficou excelente mesmo, pode se até imaginar as cenas...

Fernanda Colcerniani disse...

Nossa que lindo.. Parabéns!!! Adorei seu blog.. Se puder, aguardo uma visitinha... http://aquela-velha-opiniao.blogspot.com.br

Milene Cristina disse...

Fui um pouco desse menino ao ler, e ao final levei um pouco dele comigo. Texto lindo!!!

Milene Cristina disse...

Foi por esse texto que conheci a Ilha. Sempre volto aqui pra reler, pois sempre deixa algo bom no meu coração. O gosto bom do que faz bem.