segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

O final do círculo...

Cada um de nós é instrumento da própria Vida para fazê-la alcançar sua plenitude. Por "coincidência", ela alcançará seu objetivo quando todos nós, por sermos partes suas, alcançarmos os nossos. Quando você chora, a Vida chora com você. Quando você se ama, a Vida nos ama também. Você está feliz e a Vida toda celebra. Você dá um passo em direção à Vida e ela dá dez passos na sua direção. Você ganha e a existência inteira conquista. Você perde e ela lhe ajeita o próximo passo. Não há diferença entre ela e nós. Não há diferenças entre você e eu. Apenas dimensões, pontos de vista e vistas de pontos que se entrelaçam, que nos cercam, que nos acolhem e que damos os nomes de destino, acaso, providência, sorte, milagres e benção, conforme nosso tamanho. As ondas são irmãs do mesmo mar. As estrelas filhas do mesmo céu. Somos apenas o outro lado da moeda, os dois começos da ponte, o final do círculo.

6 comentários:

Poeta da Colina disse...

Façamos do norte nossos sonhos.

Ariana disse...

Uau, que "tapa de luva" como dizem aqui em Minas Gerais.
Realmente, a vida é o que a gente é e o que a gente faz com ela.
Se ficamos parados a vida para também.
A Maya Quaresma me indicou o seu blog e ela esta certa, você escreve super bem.

Beijos

Anônimo disse...

Sem fim, sem começo, nossa vida é um elo, somos espelho, reflexo, somos vários em um... o amor.

Giuliana disse...

Maravilhoso!!!

Deise Lima disse...

Sendo instrumentos de nós mesmos temos o poder para ir onde quiser, o importante é buscar sempre o que faça bem para nós e para os outros.
belo texto, como sempre.
Abraço!

RosaMaria disse...

Singulares perdidos, a procura dos plurais perdidos nas entrelinhas cotidianas.