segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Calendário...

Tem gente que passa o ano inteiro dormindo e só resolve acordar às vésperas do novo ano; talvez pra voltar a dormir novamente. Tem gente que depende somente da sorte e não das próprias escolhas. Tem gente que irá consultar a previsão do horóscopo, o I Ching, pular 7 ondas, pular num pé só, combinar cores e fazer simpatias como se isso traçasse seus novos caminhos, pois tem gente que vive das sempre mesmas promessas de final de ano. Gente que diz acreditar no amanhã apenas pra empurrar o hoje com a barriga. Tem gente que perdoa o imperdoável para continuar acreditando no amor. Gente que não sabe que a diferença entre crer e saber é a mesma entre muleta e a chave da prisão. Tem gente que se acostuma com adoçante ao invés de doçuras. Que acredita que uma folha a menos no calendário possa ser sua redenção. Ou que pensa que só o amor de alguém possa ser sua redenção. Tem gente que coleciona entulho a vida inteira pensando ser algo de valor. Tem gente que guarda dinheiro e deixa tudo no caixão. Gente que pensa ter a vida inteira e resolve deixar para depois. Tem gente que muito se acha quando na verdade nunca se encontrou. Gente vivendo de sonhos mesmo se alimentando de ilusões. Gente que diz saber do mundo e mal conhece suas solidões. Gente que se acostumou ser gado porque está bom assim. Gente que pensa que pensa e ao final não pensa nada. Somos viciados em tentativas e dependentes de recomeços, que se servem do tempo para nos amansar a pressa e enrugar a pele, partir a Alma e salvar os sonhos, pesar o corpo e libertar o peito, denunciar o Amor e reparar enganos, perder de vista tristezas, perder a conta das lágrimas e não poupar sorrisos, repousar nossas verdades no colo após o cansaço das vidas caminhadas. Ninguém é tanto tempo feliz por mais que queira, nem triste o tempo todo por mais que consiga.

6 comentários:

May Almeida disse...

È isso aí Gui,falou muita coisa que eu propria já estava pra desentalar no papel ,rsr
Bjs...

Lai disse...

em casa eu tenho uma criaturinha assim.

Renato Ziggy disse...

Engraçado que sempre quando te leio me vem à mente a palavra "autoconhecimento". Boa parte dos textos que li por aqui me remeteram a isso... Muitos de nós, sobretudo os ocidentais, tendemos a viver sempre pra fora, tentando experimentarmos a nós mesmos no mundo, mas sempre voltados para o que é externo. E nos esquecemos do sutil. Do interno. Do sagrado. Exatamente lá, onde encontramos as respostas e novas perguntas... Esse ano tive o privilégio de conviver com pessoas que optaram por esse caminho sutil, e como isso tem me feito bem, sabe? De fato, não dá pra ser feliz nem triste a todo tempo. Mas é possível ser inteiro. Pleno. É uma longa caminhada, mas absolutamente possível... Por isso a minha gratidão por esse ano conseguir acessar este lugar de sutileza: saber que ele existe, e optar por ele, apesar de todos os desvios...

PS: O palavrório de lá é apenas uma tentativa de ouvir as águas daqui de dentro...

Beijo, moço!

Anderson Oliveira disse...

Bela reflexão!

Poeta da Colina disse...

A vida não é medida em anos e sim intensidade. Não há o que esperar, ela não espera.

Dayse Sene disse...

Muito bom seu texto...dá para fazer uma reflexão legal. Abraços e um ótimo dia.