terça-feira, 2 de outubro de 2012

Sobrenome...

Amo quando não espero e aí sou encontrado;
Quando sou surpreendido pelas minhas próprias palavras,
que nascem dos meus olhos de espanto 
e que manhosas se despertam comigo e em mim
e tomam forma nas minhas mãos
ou ganham cores na minha boca...
...cada uma delas com o sobrenome da poesia.

11 comentários:

Sta. Vihh disse...

Ah, a 1ª frase, também amo!!!

Cátia Netto disse...

Que belo Guilherme!
Palavras sinceras, precisas e exatas.
Muito lindo!

Wendel Valadares disse...

Muito bom Guilherme!!!

Celebrar as surpresas boas da vida!

Que sejamos encontrados sempre, mesmo quando não estivermos perdidos...

Priscila disse...

Belo e preciso como sempre, Poeta!
Parabéns. :))

Dani disse...

AHAHA amo poesia,até arrisco fazer algumas no meu blog (:

http://www.avidaemletras.com/

Sol disse...

"Amo quando não espero e aí sou encontrado."
Amo amo amo...

Poeta da Colina disse...

O desencontro que Vinicius falava.

Jaya Magalhães disse...

Versos que me trouxeram a vontade de vivê-los. Um amor para amar e uma poesia escorregando pelas pontas dos dedos, bem quis.

Outra vez uma maravilha estar aqui, Guilherme. Obrigada pelo prazer que me proporciona ao lê-lo.

Um beijo.

Susana V disse...

Muito bonito, adorei!
Muitos parabéns pelo blog, muito bom.

RosaMaria disse...

Oi poeta!

Que venham as surpresas, os sorrisos, os bons momentos e os abraços.

Boa noite, beijos.

May Almeida disse...

Lindoooo!