quarta-feira, 6 de junho de 2012

Perfume...

Se nos agarrarmos às certezas que fragilmente construímos ao longo da caminhada, provavelmente congelaremos a vida tal qual promessa que não pode ser cumprida. Há um começo, um meio e um fim para tudo aquilo que um dia nasceu por nós e em nós. Ao mundo chegamos sozinhos e dele partimos também. O Amor que pode ter ido, que um dia pode ter sido, deixa sempre beleza dentro da gente e, esta beleza sim, ecoa eterna em todos os nossos atos e sentimentos, como algo que não parte nem se parte da gente, ainda que partido hoje, estejam os laços que o teceram. E natural que, dia ou outro, nem lembremos mais que tal beleza que nos eleva à terra dos sonhos e a maturidade que nos enraíza no solo da sabedoria, vieram dele. Ainda que a flor, com o tempo tenha morrido, continuamos a lembrar e a sentir o seu perfume.



(Guilherme C. Antunes, vulgo "eu", em 16.05.2011)

7 comentários:

Evelyn Dias disse...

Texto muito bem escrito. Parabéns!

Poeta da Colina disse...

O fim só faz das coisas completas.

Luciana Santa Rita disse...

Guilherme,

Tudo bem? Um texto curto, mas escrito divinamente. Parabéns! Penso que esse perfume que fica é a possibilidade do dia seguinte.

Bom feriado!

Lu

Juliana Lira disse...

Nao há como esquecer um perfume desses, talvez o mais difícil seja seguir em frente apenas com a lembrança.
Encantador teu texto. Simplesmente lindo.

Milhoes de beijos

Vampira Dea disse...

Perfumes e lembranças se misturam, perfumes nos fazem viajar no tempo, pra outras dimensões...

Carolina Mirabeli disse...

guilherme, tem uma frase que um amigo uma vez me escreveu, que é tão simples, mas tão profunda. Diz assim : "Eterno como o perfume das rosas."
essa frase está tatuada em minha alma.
parabens por nos elevar com suas palavras!

Priscila disse...

Perfeito, Poeta! Como disse o outro Poeta (da Colina): "O fim só faz das coisas completas." ;)