quinta-feira, 1 de março de 2012

Amor de santo...

A chuva quando cai, canta; o vento ao soprar, reza. Teu nome com som de cítara. Tua alma na cor de mármore. Minha lágrima com sonho de água. Tua rua, lua-de-mel; na noite nua, jeito de manto. A minha casa, pano de fundo. A nossa cama, templo desnudo. O teu amor, amor de santo. Que curou os olhos com poesia; calando a insensatez do tempo.

10 comentários:

Izabela Cosenza disse...

bravo!

Suzana Martins disse...

A insensatez cala em versos sentimentos que reverenciam o amor...

Abraços

Heat disse...

Que lindo.

*_*

Erica Gaião disse...

Como diria Ana Jácomo, "amor quando é amor é amor". Há amor melhor do que amor que não dói, mas ao contrário, cura? Que seja eterno. Que seja calmo. Que seja muito. Que tudo aquilo que você precisa, poeta! Amor que transforma tudo em poesia, é amor bom. Acho que é...

Lindo!

Solange disse...

ai.. como é gostoso te ler!

bjs.Sol

segunda flor disse...

Amor que é amor mesmo, de tão puro
chega a ser santo.

Leve e lindo.

Maya Quaresma disse...

Quanta lindeza em poucas palavras!

mfc disse...

Um texto lindo com um apelo a imagens que são uma delícia...

Yohana Sanfer disse...

Ei rapaz, e' muita poesia solta e linda por aqui...adoro...e vc consegue escrever lindeza ate pra comentar texto hein...obrigada! bjinhosss

Felicidade Clandestina disse...

para ler bem devagarzinho :) quanta suavidade.