quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Talento...

Examinando percurso sinuoso da própria vida, reconhece seu sucesso em trancar as portas de oportunidades tantas e perder a chave. Sabe bem dar nó nos laços de carinho. Refinado na arte de por sempre o dedo na ferida, se faz excelente, não por cultivar flores, mas por dizimar jardins. Sabotagem é seu grilo falante; que lhe mostra como fechar janela com a lua lá fora. Tinge de branco, os quadros outrora em tons de Amor presenteados. Afasta habilmente o descanso e, convites, nega todos. Todos aqueles que lhe clamam para ser feliz, já que alegria se encontra apenas na hora de visita. E quanto mais quer próximo, mais afasta. Com suas mãos, sufoca o futuro, pois desconhece que o bom habita o porão de sua Alma, reconhecendo apenas a sombra de quem se é; e na casa escura de si, vive espantando fantasmas. Sua morada são suas prisões. E não há ninguém que explique, nem ninguém que não entenda, seu desespero. Mas não sabe se o talento que arrasta, é obra de deus, do diabo, ou dele mesmo.

(Guilherme C. Antunes, vulgo "eu", em 22.10.10)

7 comentários:

Solange disse...

gosto tanto do jeito que vc escreve..

bjs.Sol

Poeta da Colina disse...

Os labirintos são próprios

mfc disse...

Enigmático... inquisidor... fica-nos sempre a dúvida!

Camila Costa disse...

Já parou pra pensar o quão bom seria se fizessem mais jornais voltados pra cultura? Foi pensando nisso que fizemos o "A gente não quer só comida". Lá você pode ter acesso a muitas dicas sobre arte, música, literatura e filmes. Vale a pena conferir!!!
http://artenarotina.blogspot.com

disse...

belo texto... descreveu muita gente...
adorei o blog... encontrei-o pois li um comentario seu num post que sigo e adorei por sinal.
um beijo.

Helen disse...

é meio como se a vida da gente fosse um paraíso que nos prende com correntes, como na prisão. e ainda nos fizesse uma lavagem cerebral para nos auto sabotar. dá medo, é incerto. confusoes, devaneios. e se não fosse assim a gente inventava.

Aroldo Cesar disse...

Parabéns poeta. Fala a verdade, esse brilhante texto você fez porque conheceu minha ex mulher, não foi? rs... uma biografia perfeita do que se vive hoje. Um abraço.