segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Déjà vu...

Como poderia eu continuar sendo se não se era mais? Pois como poderia eu continuar sendo se não éramos mais? Pois como poderia eu continuar e querer ser se não sabia o que seria de nós? A ausência se fez presença tal que tornou o espaço real. O espaço entre nós dois que só cresceu, levando pra longe você e eu. Por isso as saudades tomaram o seu lugar. Tudo o que eu mais queria é que nós voltássemos a ser dois. Um querer meu, e que só em mim cabe. Expulsar as saudades como os infiéis do templo. Eu sou um Amor que serve pra você, sempre serviu. Um carinho que lhe cai muito bem. Um sorriso que se abre ao lembrar da cor do teu cabelo, da tua tatuagem, tua casa bonita, teu silêncio. Eu sou o que sempre fui, ainda que eu não seja mais. Como poderia eu continuar sendo se não se era mais? Pois como poderia eu continuar sendo se não éramos mais? Pois como poderia eu continuar e querer se não sabia o que seria de nós?

7 comentários:

Alê disse...

Tudo que eu já desejei dizer e não soube contextualizar,

Eu me rendo - mais uma vez - as tuas palavras,

MARAVILHOSO!


Quando publicar o livro: esse precisa estar lá =)

Alessandra disse...

que lindo! amei seu texto, descreve um pouco o que ando passando..

Bruna dos Anjos disse...

Nossa bem profundo e muito bacana!
Parabéns!!
Adoorei :)

Bom dia!Beeijos

mfc disse...

Um texto poético sobre aquela ausência que dói... que magoa!

Maya Quaresma disse...

Eu já vivi isso. E por muito tempo relutei, até que entendi que os espaços se faziam necessários. E que a distância precisava acontecer para que eu pudesse encontrar uma nova forma de viver.

O jeito como você escreveu, não sei se por eu ser musicista, mas, as palavras criaram uma certa melodia. Uma música muito linda poderia sair de teu texto.

Beijos

Poeta da Colina disse...

Como poderíamos seguir nessa vida esperando por estas certezas? Seguimos pela dúvida do resultado.

Tainá Facó disse...

Guilherme,

Tua visita lá no meu blog foi tão bonita que não me conti. Vim aqui te ler um pouco.

E então fui lendo, e me encantando, e adorando, e achando tudo incrível. É ótimo sentir o lirismo, a poesia, a leveza que sai das tuas palavras. Na verdade, me encho de orgulho quando descubro [no caso, você me descobriu primeiro rs] blogs com conteúdo como o seu.

Quanto ao texto, me li um pouquinho em cada frase. Pelo teu comentário, deu pra perceber que estamos passando por situação semelhante e, talvez por isso, eu senti profundamente tudo que você relatou aqui.

Espero tua visita novamente.
E voltarei, obviamente, sempre que tiver novidades.

Agora vou indo me deliciar com mais textos teus, enquanto tu fica com o meu abraço.

;*