sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

O Homem de gelo...

Tive que desaprender o seu cheiro; desconhecer teu rosto, teu gosto, teu jeito; rasgar tuas cartas e nossas memórias. Tive que me cegar pra não ver mais você nos meus sonhos. E por precaução, deixei também de adormecer. Tive que dissolver doçura com qualquer amargo esquecido entre uma briga e outra. Tive que inventar qualquer mágoa pra fazer distância entre nós dois; qualquer dor que pudesse me distrair das lembranças; qualquer raiva que pudesse me ocupar; um ruído nos dias a me levar pra longe do teu existir. Sem o nosso Amor, exorcizei a poesia. Um pôr-do-sol tornou-se apenas prenúncio da noite. Uma rosa, espécie do reino vegetal. Sorriso, uma expressão do rosto. Sorvete, apenas uma sobremesa. Sem o teu Amor me rendi a boemia e aos vazios que antes sua presença ocupava. Sem o teu Amor me vendi a qualquer prazer barato. Os teus pés são passos passados e os meus, corridos em resolver minha angústia como se fosse uma equação matemática; meu desespero como se adestra um bicho arredio. Tuas roupas, peças de brechó. Teu carinho, peça de museu. Tua bossa nova e teus discos velhos arranham a alma quando até um sopro arde. E hoje sofro pelos frutos perdidos, pelos filhos não tidos, pelo adeus não superado. Sou descortês com qualquer encanto da Vida que possa cair no meu colo, apenas pela vã ideia de me lembrar do teu nome, do teu perfume, ou do teu sorriso. Estou insensível às dores do mundo; apenas as minhas tem vez. Hoje vivo aquela profecia que eu mesmo tanto anunciava: que serei inevitável descanso, que serei distância, que serei descaso e que serei razão, quando eu queria tanto ser um erro desmentido. E hoje, sou coração de pedra e não há quem me carregue. Hoje, sou homem de gelo e não há quem me derreta. Sou uma desilusão orgulhosa de ser; uma esperança em extinção, e não há ninguém nesse mundo que me salve.

9 comentários:

Solange disse...

como sempre, eu entro aqui e fico maravilhada com teus escritos.
o de hoje fala tão fundo em meu coração..
ainda resta-me um fio de esperança.

bjs.Sol

mfc disse...

Um texto onde a melancolia se instala a cada frase desenhada!

IsaBele disse...

Ah, querido! A poesia contida aqui te salva, nos salva.

Belíssimo texto, belíssimos textos.

Carinho.

Poeta da Colina disse...

Ao se livrar de tudo, é para sobreviver ao próximo passo, há sempre cura em frente.

Amar demais, não exclui amar de novo.

Aksa Bandeira disse...

Palavras que tocam profundamente no coração!

Ser Jovem tem dessas coisas ... disse...

hoje as fases do meu coração gelo se derreteram e se renderam aos toques macios de peles em abraços.
hoje sinto os gestos de afeto como pétalas que são regadas e portanto cuidadas.
Assim do inverno veio a primavera e do passado a vaga lembrança de muita evolução! Enquanto que a primavera desabrocha um jardim de um mundo melhor para humanidade!
Virá o calor dos corações que aquecem almas em carnes! Desejos mundanos ardentes são caminhos que esfriam e depois pacificam.

poemasavulsos disse...

Acho esplêndido o seu dom para desfechos, sempre surpreendentes.

Abraços, Guilherme.

@poemasavulsos

Tati Lemos disse...

O homem de gelo parece ser sozinho.

Beijo

Luciana Mira disse...

Você escreve tão bem, rapaz! Gostei muito de te ler!