segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

O motivo...

Após incontáveis desacertos do coração e desencontros da Alma, caiu ele de joelhos à exaustão de suas tristezas, abraçando a descrença do seu destino e da vida que levava. E quando no hoje adormeceu, não soube o que amanhã viria ele a saber: O motivo. Talvez pela desesperança de tudo o que vivia, desistiu de resistir à vida e de esperar por qualquer futuro que lhe pertencesse; então livre das expectativas, sonhos, pré-conceitos e outras cores suas, passou a ver claro e transparente, a alma alheia.  O motivo que nos move o coração, as escolhas, os encontros e os desacertos. O motivo que confessa nossos cantos e esquinas e quem de verdade somos. Além da percepção limitada dos sentidos e da linguagem, pode ele ver sob as superfícies que em nós ocultam os reais impulsos do espírito. Assim, o branco passou a ser branco. As mãos, criadoras. A semente, a cor dos frutos. A vida, palco do infinito. Apreendeu ele nas entrelinhas, o sentido que aponta a verdade das coisas, imersa entre os véus dos interesses, enfeites do ego e do orgulho, pelos receios que apequenam, mas também do Amor que cura e que soma, do perdão que expande e da compaixão que aproxima e se veste de gratidão. motivo que fala sem dizer; age sem fazer, aponta sem mostrar, arde sem doer, morre sem viver, encontra sem perder, pai de todos os porquês. O porquê dos vícios e falsas virtudes, o porquê dos sorrisos em público, lágrimas em casa, florear demais, falar demais, sentir de menos, calar, consentir, farpas, gastrites, excessos, viver vazio, morrer inteiro. Se mudar de significado no dia seguinte é um dos mais deliciosos privilégios da mentira -a maior fortaleza da auto-estima- e a verdade produto raro das prateleiras, o que nos faz escolher, então, a verdade no caminho nosso? Por que costumamos sentir uma coisa, pensar outra e fazer outra bem diferente? Quais são as nossas verdadeiras razões? O sentir, o pensar e o agir são os 3 universos dentro de nós como potências criadoras que tem por origem duas direções em que caminhamos. O Amor ou o medo. O amor e suas nuances, ou o medo e seus desdobramentos. Eis os motivos pelos quais nos movemos.

8 comentários:

Elizabeth Regina disse...

Fiquei encantada com essa crônica. Esse ele poeria ser eu, em alguns momentos de introspecções e incertezas. Aqueles dias em que resolvo fazer um balanço de minha vida. Saber se houve lucro ou prjuízo, se a lista débitos foi maior do que a de créditos. Parabéns, Menino da Ilha!!!!!

disse...

E se finalmente esquecessemos os motivos e simplesmente nos entregassemos???

Beijoss

Poeta da Colina disse...

é que simplesmente o sentir não é uma razão.

Ellen Brito disse...

Acho que os melhores textos são aqueles que me deixam SEM PALAVRAS! rs

Yohana Sanfer disse...

Os motivos, os porquês...Tão reflexiva, tão reveladora...adorei tua crônica Guilherme!
Parabéns, denovo!rs

Natália Campos disse...

Movimento paradoxal; entre o amor e o sofrimento, entre rosas e espinhos. Eis os motivos pelos quais nos movemos! Mas o que me moveu agora foram tuas palavras. Ainda estou refletindo...! Muito bom, Guilherme.

Juliana Matos. disse...

E ainda somos motivadas por tanto..

Um abraço

Juliana

Paolla Milnyczul disse...

Embasbacada com esse texto. Demais!!