domingo, 2 de outubro de 2011

Dedicatória...

Estas palavras são pra você, que acorda vez ou outra se sentindo deslocado, distante e fora de si; sem saber o que pensar, sem saber o que fazer, aonde ir, o que sentir; onde as únicas coisas que falam de você é a sua identidade na carteira, seu mais do mesmo, sua desesperança. As memórias distantes do que você foi e viveu falam mais sobre você do que quem você é hoje. Estas palavras são pra você, que afirma sua existência pelas negações e ausências, pelas condicionais e meras possibilidades. Que se sente um rascunho; uma ideia genial que se esquece numa distração; um projeto interessante deixado envelhecendo na gaveta. Pra você que vive quando os dias são pesados, os tons são de cinza, em que falar se torna esforço e estar sozinho é a melhor e única escolha, mas também a pior. Quando não saber é a única coisa que se sabe. Pois são tuas roupas repetidas, teu corte de cabelo, as piadas prontas e as séries de tv que mais sabem de você, porque você nem se reconhece mais no teu espelho. Pra você que nas entrelinhas dos desencontros decorou poesia triste e bonita como bordão. Estas palavras são pra você, que procura o Amor e nele busca se encontrar, mas nunca o encontrou por nunca ter sabido e reconhecido o que ele é. Pra você que entre tantos caminhos novos se acostumou com esquinas. Que se sente merecedor de lugar nos banquetes de luz e se satisfez com mesas de bar. Pra você que preferiu entre suspiros, cigarro forte. Que se sente miserável e todo final de noite dorme em cima dos tesouros ocultos do coração. Estas palavras são pra você, que conta as horas porque se incomoda com o eterno. Que não reza por ser você quem verdadeiramente nunca escutou ninguém. Você que reprime os desejos e desiste dos sonhos por se guardarem na estante mais alta. Você que expulsa demônios e sombras todo santo dia. Estas palavras são pra você, que aceita os desacertos como inevitáveis e o destino como ironia. Que acha que dificuldade faz sempre parte do jogo. Que não arrisca por ter apego de estimação. Que só não desiste porque não dá pra desistir. Estas palavras são pra você, que é metade apenas por não saber ser inteiro.

4 comentários:

Isa G. disse...

"...Pra você que entre tantos caminhos novos se acostumou com esquinas..." Essa e todas as outras partes: perfeitas, densas, as mais verdadeiras possíveis! Lindo texto!!!

Tânia F. disse...

Obrigada por sempre permitir que eu me encontre, perdida na sua ilha. Um beijo.

Caroline Rohwedder disse...

Muito bonito... tenho me sentido assim..
E quem não?
Bj

Heat disse...

Obrigada!