terça-feira, 6 de setembro de 2011

O Arco e a Lira...

"A poesia é metamorfose, mudança, operação alquímica, e por isso confina com a magia, a religião e outras tentativas para transformar o homem e fazer 'deste' ou 'daquele' esse 'outro' que é ele mesmo. O universo deixa de ser um vasto armazém de coisas heterogêneas. Astros, sapatos, lágrimas, locomotivas, salgueiros, mulheres, dicionários, tudo é uma imensa família, tudo se comunica e se transforma sem cessar, um mesmo sangue corre por todas as formas e o homem pode ser, por fim, o seu desejo: ele mesmo."
.
.
(Octavio Paz)

Um comentário:

Ana Aitak disse...

Estamos perdendo essa capacidade de ver poesia no mundo, e consequentemente de percebê-la em nós mesmos. Triste isso. Mas há esperança!?

Bonito texto. Inspirador.

Abraço