quinta-feira, 21 de julho de 2011

Saldo...

Versava ele sobre verdades esquecidas pelo próprio coração, quando em dias passados inspirou perfumes. Pois queria a salvação do outro quando era ele mesmo quem se perdia. Tocava no rosto alheio a secar lágrimas com palavras, quando era ele quem se afogava. Contou tantas histórias pra si que se perdeu no enredo. Salvou o final de muitos mocinhos; embora se sentisse o torpe bandido. Virou poeta a se enfeitar de ilusões que não mais sabia distinguir seus carnavais de fantasias dos seus dias de branco. Pelos falsos contos e estórias de antes, azedou histórias e magoou com as rimas, passeando agora de mãos dadas com a tristeza, atendendo aos seus caprichos como se sua filha fosse. Chora nas letras, dói-se nas linhas. Seu lápis era veste rasgada a dar de presente trapos de belos detalhes. E em qualquer um encontrava sua vitória e seu lirismo, menos dentro do peito. Culpava o céu, a terra, e os espinhos por seus desencontros. Perdeu seu guia, esqueceu seu mapa. Queimou manual de bem-estar. Renascer era hoje apenas verbete do dicionário. Astronauta solitário a contemplar o medo entre as estrelas, gritava no vácuo do vazio, por resgate. Sorteia nos textos quem vai sorrir, quem vai chorar; e no seu caso, lágrima era seu grifo. Cobrava perdão da vida sem ter saldo pra isso. E não sabendo mais qual era seu valor, esperava apenas não levar o troco.

4 comentários:

Ellen Brito disse...

Quando leio seus textos, parece que entro neles e faço parte da história, rs. Adorei!

Solange disse...

gosto demais de seus escritos..
este está fabuloso..parabéns.

bjs.Sol

Fran Bitencourt. disse...

Quando se tem o peito aberto para a vida, é inevitável o sofrimento.
Sejamos felizes pela dadiva de sentir ao extremo que, por mais que acarrete dores exacerbadas, temos a certeza de que sentimos e vivemos, intensamente. Independente dos caminhos.

Lindo texto! Muito me encontrei por aqui.

Um beijo na alma,

Fran.

Patrícia Rocha disse...

Hoje estou culpando o céu, a terra, e os espinhos por meus desencontros...

Beijos Lunáticos =***