sexta-feira, 24 de junho de 2011

A Prece...

Sou Prece em confissão de poesia. Sou domingo cinzento e segundas ensolaradas de recomeço. Sou alguém a perguntar: será que nos encontraremos nos primeiros pensamentos da manhã; nas primeiras palavras do dia? Saberá você amanhã o mesmo que saberei? Será você amanhã o mesmo que eu serei? Queria que sim; saberia que sim; sinto que é; faço perguntas que eu mesmo respondo porque somos equivalentes; somos a mesma busca; e o mesmo encontro. Porque te queria aqui, ou me queria aí, tanto faz. Tanto me fiz teu que até agora tenho colecionado tua boca linda e todos os teus sorrisos no meu olhar de atenção. Eu já acolhi saudades como presença enfeitada de nostalgia. Olhei para as lágrimas como chuva de verão no meu jardim. E já entendi essa estranheza bonita de não reconhecer terreno em que pisamos e que sempre colhemos o mesmo, a colorir metade, a sorrir metade, a faltar inteiro de nós dois. Passamos vidas inteiras nos entregando pela metade, desatando nós, dissolvendo mágoas, buscando aquilo que nunca serviu e deixando rotina ser nosso caminho que, agora, metade é poesia. Metade é inteiro; tempo é espera e distância é certeza. Você é minha outra metade. Metade é como a sombra de Amor em dias de Sol gostoso. Agora vejo que tua falta preenche o meu vazio; são os passos parados do meu caminhar macio. E hoje sopro direção pra você se encontrar dentro; me encontrar junto, e sermos aqui fora, aquilo que já somos. E enquanto me perco nos dias, te encontro nas noites e somos na Lua; não me deixo virar pó nem pedra até te ver de novo. Chegou hora de costurar minha sorte na tua, meu Amor. E como Prece, digo: Amém ao que nos espera. Amém por eu saber que tenho você, mesmo que do outro lado.

Um comentário:

Patrícia Rocha disse...

"E enquanto me perco nos dias, te encontro nas noites e somos na Lua; não me deixo virar pó nem pedra até te ver de novo."

Como é bom entrar aqui =)

Beijos Lunáticos :**