quinta-feira, 10 de março de 2011

Sereno...

Ainda que corresse contra o tempo, não mais se preocupava, pois, aprendera a se acalmar diante do inevitável e, também, a sentir a dor do outro ao invés, antes, da sua própria aflição. Através dos erros alheios, aprendeu assim a ser prudente, tornando-se sereno de ofício diante das tragédias e dos pequenos milagres do cotidiano revelados frente aos seus olhos. Por não haver tempo a se lamentar, abriu caminhos ao cultivar o bem. E sempre chamado diante das intempéries, não se julgava importante, embora entre incontáveis manhãs de chuva e noites de luar cor de prata, trouxera a vida, como também levara a morte. Era motorista de ambulância. Ganhava pouco.

3 comentários:

dja disse...

Assim como ele também devíamos ver e sentir a vida assim.
se colocar no lugar do outro
ser sereno ao nos deperarmos com as tragedias, e milagres, não ficar a se lamentar, porque outros tem problemas piores e maiores que nós, e não vivermos virados a olhar só pra nossos umbigos.
Ganhar pouco aí é outra história, nossa rsss de qualquer jeito, fazer o seu, e viver, do que prover da melhor forma que conseguir.

Beijos

Lu disse...

Estava passeando pelo Cheiro de Flor quando ri e encontrei um comentário seu e vim conhecer o seu blog. Uma delícia de blog. Adorei!

Thami Silva disse...

Seria tão bom se todos enxergassem (de imediato mesmo), a beleza de suas profissões. Não existiria pior ou melhor, perceberiam que todos tem igual importância.

Amado, agradeço pela gentileza de suas visitas. Volte sempre =)
Adorei o post.