terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Prosas e poesia...

E foi de repente que eu senti uma coisa boa; uma sensação de (re)encontro consigo mesmo. Um encantar-se em si através do outro; através do silêncio que se comunica e se faz presente em nós. Que fala de nós mesmos a transbordar dentro de página a se completar em versos que hoje tem nome e lugar pra se viver, mas que alcança o atemporal. E você veio prosear sobre um algo mais; você veio falar poesia. Aquela que a gente escuta quando ao longo do tempo se constrói espaço vasto e vazio aqui dentro, mas não vazio de significado. Um espaço suficiente pro novo vir habitar. E você veio. Pelo menos, é assim como eu gosto de ver; de tecer minha existência com fragrâncias de fantasia e gentilezas imaginadas do dia-a-dia. Você veio contar sobre aquilo que é maior do que eu, mesmo eu não sabendo lá muito bem quem eu sou, embora eu vá me encontrando com cada cantinho-meu-aqui-dentro que é solicitado a responder em determinado momento ou desafio da vida. Isso faz vontade trazer o outro pra vida da gente com tudo o que se tem direito; ainda que dê um frio na barriga. Talvez seja porque a gente viva no conhecido, às claras, e o que vêm é sempre estranho. Estranho porque desconhecido. Aí quando o coração começa a se acostumar, faz do novo a sua casa. E ninguém melhor do que você, a recitar as chaves, declamando versos da cor da parede, cantando o som do ventilador do quarto; dividindo gavetas e sentimentos; lavando azulejos e tristezas. Que janelas abrimos! E a culpa é toda tua; pois contas ao coração aquilo que ele até então não havia pensado como melhor sentir. Qual palavra caberia, em que ordem ou com qual intensidade. Mas aí veio você e traduziu: a minha vida inteira. Espero abraçar sempre essa lembrança quando eu sentir saudades.

3 comentários:

Bibiana Benites disse...

'...O momento, adoçou de forma continuada a palavra afeto,
foi o mesmo que um caminhar junto, ao lado.
Mais parecemos Um... pelo reflexo, pela sintonia,
por essa essência encontrada nos dois...'.

Sim, foi um 'encantar-se em si através do Outro'. Sem tradução.

Amei, amei, amei.

Beijos Gui!

Uma mocinha não tão indefesa disse...

Sem palavras para dizer o quanto gostei. Simplesmente PARABÉNS!

Beijinhos :))

Maria Clara disse...

Depois que você veio, nunca mais eu fui sozinha.
Me reinvento pra nós dois todo dia!

MJUH!