quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Chuva...

"O que acontece com as aves quando chove? 
Se chove muito, durante anos e anos… como é que elas voam?
Elas aprendem a voar na chuva ou..
 ..têm que aprender a viver sem voar?"
.
.
.
(“Marko”, do filme macedônio “Mirage”)

Desafinadas...

"Você me conhece bem. Sabe cada pedaço de mim. Sabe que mudei. Não somos mais tão iguais como antes. Você também mudou. Ainda te amo. Com a mesma intensidade. E muitas vezes dói não concordar mais com o seu jeito de levar adiante. Você tem que prestar mais atenção. Nos outros e não em você. Ou em você, mas na parte que realmente importa. Se pareço brava, triste ou decepcionada, falo e escrevo porque amo. E não tenho raiva. A verdade é que as pessoas só querem saber delas mesmas e você não é diferente. Hoje, ao me pedir para passar a sua roupa você foi egoísta sim. Só pensou em você. Irritada com o meu simples não, me acusou com mesmo adjetivo que agora lhe cabe. Isso, sem ao menos procurar saber o por que eu não faria o que você queria. Se fui egoísta em não passar a sua roupa, você também foi ao só pensar no que era bom pra você naquele momento. Estamos quites e tudo tem dois lados. Não costumo aqui ser tão direta e nem gosto disso. Sou de entrelinhas, de traços, de palavras mal ditas e malditas. Então não seja tola, não seja hipócrita, não seja casca. Só desejo a você o que quero pra mim. Uma vida mais cheia de frutos". (Janaína Salgado)

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Depois...

"Depois das primeiras ofensas
Nenhum "Eu te amo" soará tão bonito".
.
.
.
(Luana Gabriela)

Conduta...

"Vou mudar minha conduta,
vou tomar minhas cautelas.
Vou votar nas prostitutas,
e não mais nos filhos delas".

Veterana...

"Eu te agradeço por esse afastamento lento e gradual e pela viagem interrompida por seus perpétuos atrasos causados pelo medo de tirar os pés do chão. Agora, a cada dia eu preciso de uma roupa nova desde que minhas malas foram extraviadas para sempre com todo o nosso excesso de bagagem. Eu te agradeço pela honestidade da sua omissão tão previsível que sempre confundi com meus presságios. Essa ida sem despedida que você covardeou: eu finjo que não sei, você finge que não foi. E a gente segue inventando que ainda se interessa pelo que começamos a construir juntos, num outro contexto, pra realçar nossos vínculos. Eu te agradeço a descoberta de que se não seguimos juntos nessas coisas do amor, seja porque talvez
eu, veterana
enquanto
você ama-dor".
.
.
.
(Marla de Queiroz)

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Diferenças...

"Pergunta a aluna ao professor:
- Professor, como o senhor sabe tanto?
E o professor responde:
- Porque fico de olhos abertos.
Pergunta o discípulo ao mestre zen:
- Mestre, como o senhor sabe tanto?
E o mestre responde:
- Porque fecho os olhos".

Parte de mim...

"Quanto mais me aproximo do outro mais me sinto distante de mim. Sozinha não me comparo, não me cobro sorrisos forçados, não me distraio de objetivos já traçados. Me entendo melhor no vazio, no escuro, nas minhas próprias dúvidas e não nas que me trazem.(...) Que poder é esse que as palavras têm, elas atravessam a corrente do tempo, entram pela porta da frente e se hospedam como se nunca tivessem pertencido a outro lugar. O outro fala e a gente guarda, mesmo que não pareça, somos muito mais frágeis do que pensam que somos. Por isso a solidão não me assusta pelo contrário nela eu me sinto mais parte de mim mesma".
.
.
.
(Thaísa Schelles)

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Farpas e conchas...


Parece que longe da Ilha, ela é mais feliz. Mas por quê me parece isso se a tempestade que a assusta, não tem culpa o meu canto? Construo bonita cabana e é a farpa que lhe encontra; na areia em que desenho meu amor, é a concha que lhe corta. E remando contra a Ilha, em jangada frágil de boicote, parece querer voltar. É saudade, o mar que a circunda? É solidão as velas içadas? Naufraga dentro de si a ideia de que a Ilha, em verdade é porto seguro? Não se encontram ameaças na plenitude dos mistérios frondosos que a enfeitam. Cuido dos pastos com esperança. Convido-a ao regresso com a luz do farol. Carinho é trilha. Talvez não enxergue com medo de que as cores confudam, ou a promessa de herdar tal terra a sufoque. Ainda que o único desafio seja a semeadura interior de paz diante do reino que lhe entrego, coberto pelo manto estrelado do céu. Não há riscos, nesta Ilha de um homem só...

domingo, 26 de setembro de 2010

Defesas...


"Durante milênios, nós, humanos, temos intuído Deus e temos procurado. O que descobrimos nos inspirou a sermos bons, a sermos pacíficos, a sermos amáveis. Mas fracassamos principalmente em corresponder às nossas intuições de como sermos bons, de como amar. Em nossa frustração, nos tornamos defensivos, nos tornamos crentes em Deus, crentes que precisam defender a idéia de Deus como desculpa pela incapacidade de corresponder a essa idéia. Isso nos deu o proselitismo religioso, o fundamentalismo e, até mesmo o terrorismo, tudo em nome de Deus. (...)"
.
.
.
(Amit Goswami. deus não está morto)

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Recuperação...


Tantas são as alternativas e múltiplas escolhas que escondem no enunciado, meias verdades e falsas certezas. História mal contada, que não cabe resposta com macetes. Não há fórmulas no caminho de cada um. Cabe sim, o contínuo estudo de nós mesmos; a correção das imperfeições e a multiplicação dos atributos do Ser. Saber o bem, de cabeça. E o justo, de coração. E se diante de tanto, podemos chamar os universitários? Lógico, e certo de que a grande Universidade põe alunos a nossa volta para compartilhar também. Quanto as provas, sempre poderão ser refeitas. Amar a si mesmo é graduação. Paciência é professor. E lembre-se que a desatenção nos detalhes, mais a falta de carinho em cada uma destas provas nos deixará em recuperação. Mesmo que a nossa progressão seja sempre continuada...

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Teu presente...

"Desta vez não vem embalado, nesta data querida tenho apenas coisas que desejo para você. Desejo, em primeiro lugar que você nunca pare. Porque parar faz a gente se esquecer de onde estava indo e retroceder. Retroceder faz voltar para um lugar que não existe mais. Resgatando pessoas que não são mais o que eram, trazendo dor. Desejo que você agradeça sempre pela sua boca de beijo sabor menta. Que você tenha a capacidade de parar de falar antes de encontrar a ladeira das palavras que levam à ofensa. Que você tenha sempre o dom de ouvir, agradeça aos teus ouvidos e que eles nunca te enganem. Não misture músicas e sons que não combinam. Desejo a saúde das tuas pernas, e que, elas nunca te levem em passos apressados para onde eu não consiga chegar, que seus passos sejam menores e seus anseios por ir embora também. Que teus olhos da cor do mundo não te traiam, que não te mostrem aquilo que nem eu, nem ninguém quer mostrar. Desejo candura as tuas mãos, que elas saibam o limite do toque, que você se lembre do peso delas em todas as horas, ou em todo segundo que antecipa estas horas. Que seu coração continue vivo, que ele entenda a diferença entre necessidade e carência. Entre doar e somente dar. Que teu corpo reconheça o som da sua voz e não seja preciso falar mais alto, que teus braços percebam como são enormes e o poder que eles tem de curar, que teu colo se entenda com as pessoas que você ama, que tua íra não seja nada além de um gosto amargo no céu da boca. Hoje, desejo que seu encontro consigo não te assuste e seja pleno. Que nada te impeça de sorrir, que a vergonha não te impeça de se desculpar. Que você ganhe muitos outros presentes palpáveis, comestíveis e visíveis.
E que aceite o meu, de todo o coração.
.
.
.
(Camila Heloíse)

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Acasos...

"Helena não se importava com prognósticos, com previsões do tempo, com provisões de fundos, com a despensa ou com sinais fechados. Helena era uma mulher de acasos".
.
.
.
(Epitáfio para Helena. Herculano Neto)

A Lei da Mágica...

"Vou lhes dizer uma das leis mais profundas da vida. Vocês podem nem ter pensado a respeito disso de maneira nenhuma. Vocês ouviram – toda a ciência depende disso – que causa e efeito é a base. Você cria a causa e o efeito a segue. A vida é um elo causal. Você põe a semente no solo e ela brota. Se a causa está presente, então a árvore a seguirá. O fogo está lá: você coloca sua mão nele e irá se queimar. A causa está lá e o efeito a seguirá. Você toma veneno e morre. Você arranja a causa e assim o efeito seguirá.

Essa é uma das mais básicas leis científicas, que causa e efeito é o elo mais interior de todos os processos da vida. A religião sabe a respeito de uma segunda lei que é ainda mais profunda do que essa. Mas a segunda lei que é mais profunda do que a primeira parecerá absurda se você não a conhece e não a experimenta.

A religião diz: Produza o efeito e a causa seguirá. Isso é totalmente absurdo em termos científicos. A ciência afirma: Se a causa estiver presente, o efeito a segue. A religião afirma que o inverso também é verdadeiro: você cria o efeito, e veja: a causa segue.

Numa situação na qual você fica feliz. Um amigo chegou, a amada chamou. A situação é a causa – você fica feliz. A felicidade é o efeito. A chegada da amada é a causa. A religião diz: Seja feliz e a amada vem. Crie o efeito e a causa o segue.

Essa é minha própria experiência, que a segunda lei é mais básica do que a primeira. O tenho feito e isso tem acontecido. Apenas seja feliz: a amada vem. Apenas seja feliz: os amigos estão presentes. Apenas seja feliz: tudo segue.

Jesus diz a mesma coisa com outras palavras: Procure primeiro pelo reino de Deus, então tudo mais seguirá. Mas o reino de Deus é o final, o efeito. Procure primeiro o fim – o fim significa o efeito, o resultado – e a causa seguirá. É assim que deve ser.

Não apenas colocar uma semente no solo e a árvore segue; basta uma árvore e há milhões de sementes. Se a causa é seguida pelo efeito, o efeito é novamente seguido pela causa. Isso é uma cadeia! Desse modo se torna um círculo – comece de qualquer lugar, crie a causa ou crie o efeito.

Eu lhe digo, é mais fácil criar o efeito porque o efeito depende totalmente de você; a causa pode não ser tão dependente de você. Se você disser que só pode ser feliz quando certo amigo estiver presente, então isso depende de um certo amigo, se ele está presente ou não. Se eu disser que não posso ser feliz até que consiga muita riqueza, então isso depende do mundo inteiro e da situação econômica e tudo mais. Isso pode não acontecer, e assim não posso ser feliz.

Esta causa está além de mim. O efeito está dentro de mim. A causa está nas redondezas, nas situações – a causa está fora. O efeito sou eu! Se puder criar o efeito, a causa o seguirá.

Escolha a felicidade – isso significa que você está escolhendo o efeito – e então veja o que acontece. Escolha o êxtase e veja o que acontece. Escolha ser alegre e veja o que acontece. Toda sua vida mudará imediatamente e você verá milagres acontecendo ao seu redor... Porque agora você criou o efeito e as causas terão que seguir.

Isso irá parecer mágica; você até mesmo pode chamar isso “A Lei da Mágica”. A primeira é a lei da ciência e a segunda é a lei da mágica. Religião é mágica, e você pode ser o mágico. Isso é o que ensino a vocês: ser um mágico, conhecer o segredo da mágica.

Tentem! Vocês vêm tentando o outro por toda vida – não só nessa, porém em muitas outras vidas também. Agora me escutem! Tentem essa fórmula mágica, esse mantra que estou lhes dando. Criem o efeito e vejam o que acontece; causas imediatamente lhes rodeiam, elas seguem. Não esperem pelas causas; vocês já esperaram demais. Escolham a felicidade e vocês serão felizes.

Qual é o problema? Porque vocês não podem escolher? Porque vocês não podem trabalhar com essa lei? Devido as suas mentes, toda a mente, a qual tem sido treinada pelo pensamento científico, diz que se vocês não forem felizes e tentarem ser felizes, essa felicidade será artificial. Se vocês não estão felizes e vocês tentam ser feliz isso será somente representação, isso não será real. Isso é o que o pensamento científico diz, que isso não será real, vocês estarão apenas representando.

Mas você não sabe: a energia da vida tem suas próprias maneiras de funcionar. Se você puder agir totalmente isso se tornará o real. A única coisa é, a ator não pode estar presente. Mova-se totalmente nisso, então não há nenhuma diferença. Se você está agindo sem entusiasmo, isso permanecerá artificial.

Se lhe digo para dançar e cantar e para ficar alegre, e você tenta sem entusiasmo, só para ver o que acontece, contudo você permanece por trás... E você continua pensando: Isso é apenas artificial. Estou tentando, mas isso não está vindo, isso não é espontâneo – então isso permanecerá um fazer, uma perda de tempo.

Se você tentar, então tente entusiasticamente, de todo coração. Não fique para trás, penetre nisso, torne-se o fazer – dissolva o ator no agir e veja o que acontece. Tornar-se-á real e assim você sentirá que é espontâneo. Você não o fez; você então saberá que isso aconteceu. Contudo, a menos que você seja total, isso não pode acontecer. Produza o efeito, esteja completamente nele, e veja e observe os resultados.

Posso fazer de vocês reis sem reinos; vocês precisam somente agir como reis e agir tão totalmente que diante de você mesmo um rei real parecerá como se ele estivesse apenas representando. E quando toda a energia for para isso, torna-se realidade! Energia torna qualquer coisa real. Se você esperar por reinos, eles nunca chegam.

Mesmo para um Napoleão, para um Alexandre, que tiveram grandes reinos, nunca chegaram. Eles permaneceram miseráveis porque eles não chegaram a compreender a segunda, mais básica e principal lei da vida. Alexander estava tentando criar um reino maior, tornar-se um rei maior e então não sobrava tempo para ele ser rei. Ele morreu antes do reino ficar completo.

Isso aconteceu com muitos. O reino nunca pode ficar completo. O mundo é infinito; seu reino está destinado a ser parcial. Com um reino parcial como é que você pode ser um rei total? Seu reino está destinado a ser limitado e com um reino limitado como é que você pode ser o imperador? É impossível. Porém, você pode ser o imperador. Basta criar o efeito.

Swami Ram, um dos místicos desse século, foi para América. Ele costumava chamar a si mesmo Badshah Ram, Imperador Ram. E ele era um mendigo! Alguém lhe disse: Você é somente um mendigo, mas você continua chamando a si próprio de imperador. Então Ram disse: Não olhe para minhas coisas, olhe para mim. E ele estava certo, porque se você olhar para as coisas, então todo mundo é um mendigo... Mesmo um imperador. Ele pode ser um mendigo maior, isso é tudo. Quando Ram disse: Olhe para mim! Naquele momento, Ram era o imperador. Se você olhasse, o imperador estava lá.

Crie o efeito, torne-se o imperador, seja um mágico... E agora mesmo, porque não há necessidade de esperar. A pessoa precisa esperar se o reino tiver que vir primeiro. Se a causa precisar ser criada primeiro, então a gente tem que esperar e esperar e esperar e adiar. Não há nenhuma necessidade de esperar para criar o efeito. Você pode ser o imperador agora mesmo.

Quando digo, Seja! Apenas ser o imperador e veja: o reino segue.... Eu o conheci através da minha experiência. Não estou lhe falando sobre uma teoria ou sobre uma doutrina. Seja feliz, e nesse pico de felicidade você verá que o mundo inteiro é feliz com você.

Existe um antigo ditado: Ria e o mundo ri com você; chore e você chora sozinho. Até mesmo as árvores, as pedras, a areia, as nuvens... Se você puder criar o efeito e ser extático, todos eles irão dançar com você; assim toda a existência se torna uma dança, uma celebração.

Mas isso depende de você, se você puder criar o efeito. E digo a você, você pode criá-lo. É a coisa mais fácil possível. Parece muito difícil porque você ainda não tentou. Tente!
.
.
.
(Osho, Extraído de: My Way: The Way of the White Clouds)

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Exercício...

E o meu exercicio diário continua sendo decifrar as questões que a vida me dá. É quase um malabarismo, onde manter a lucidez é imprescindível. Então vasculho todos os espaços existentes em mim, e percebo que não preciso ter todas as respostas, basta não me fazer de desentendida e aceitar todas as perguntas. O maior erro do ser humano não é o vacilo que muitas vezes comete, mas se submeter a cegueira para obter somente a resposta que lhe interessa!
(Fernanda Gaona)
.
.
.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Elogio...

" - Um dia você vai ver que a dor não serve para nada - comecei.
- Não fiz o elogio da dor, mas da intensidade. A dor só vem depois e realmente não serve para nada".
.
.
.

(A Estrela Nua, Maria Adelaide Amaral)

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Fora do controle...

"E você não imagina o quanto é assustador pra mim estar em um território que não é meu, fora do controle, perdida e sem armadura alguma pra me defender. Eu precisaria de você o tempo todo pra me lembrar que vai ficar tudo bem, que eu não posso esquecer de respirar e que você não vai me deixar cair".
.
.
.
(Kelli Kadanus)

Camadas...

"Porque com o tempo você aprende a se revestir com camadas de coragem que o impede de ver pequeno. De ver ruim. Com o tempo você aprende que as coisas não te ferem mais como antigamente, porque é dentro de você que as coisas permanecem intactas e bonitas. Com o tempo você aprende que às vezes não compensa gastar tempo se doando por inteiro pra uma pessoa que não sabe se dar. Pra uma pessoa que sonha baixo e afoga as ternuras num copo de ressentimentos sem gelo".
.
.
.
(Serena-Cris)

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Diferença...

"Queria um amor confortável.
Ganhou um amor cômodo".
.
.
.
(Luana Gabriela)

Nunca é tarde...

"Nunca é tarde demais, ou cedo demais, para ser quem você quer ser. Não há limite de tempo. Comece quando quiser. Mude ou continue sendo a mesma pessoa. Não há regras para isso. Você pode tirar o máximo proveito ou o mínimo. Espero que tire o máximo. Espero que veja coisas surpreendentes. Espero que sinta coisas que nunca sentiu antes. Espero que conheça pessoas com um ponto de vista diferente. Espero que tenha uma vida da qual se orgulhe. E se não se orgulhar dela, espero que encontre forças para começar tudo de novo".
.
.
.
(O Curioso Caso de Benjamin Button)

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Cansou...


"Ela simplesmente cansou
dos venenos e silêncios de sua Vida,
Ousou
Se vestiu de borboleta,
Pegou ventos livres
e voou por aí...
Feliz em ser Ela mesma
a própria".
.
.
.
(Maxual Scorpiano)

Cama...

"O amor da minha vida eu encontrei, tem nome, é de carne e osso, e me ama também. Agora falta encontrar alguém com quem possa me relacionar. É que o homem da minha vida não cabe em mim e eu não caibo nele. Não basta que a gente se queira há muitos anos. Não basta nossos namoros longos, os rompimentos e a teimosia de desejar mais daquilo que não há de ser. (...) Quando um se sente em paz o outro quer a guerra. É preciso me traduzir a cada centímetro do caminho enquanto ele explica que eu também não entendi nada. Discordamos sobre o tempo, o tamanho das ondas, a cor da cadeira. O desacerto é de lascar, e não há cama que resista a tantas reconciliações - um dia a cama cai".
.
.
.
(Maitê Proença)

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Por você...

"Nenhum homem é uma ilha, somos todos parte de um continente. A morte de qualquer indivíduo me diminui como ser humano, portanto, não me perguntem por quem os sinos dobram: eles dobram por você." (E. Hemingway)

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Escuta!


Eu sei de todas as tuas fraquezas; e conheço todos os teus pecados. E não importa quantos acertos mais sejam precisos para que isto funcione. Preocupa-te com teus erros, para que não magoes o teu próprio reflexo. Pois quando apontas algo em outro, é a ti mesmo que enxergas. Agora é o desafio. Recria versão mais bonita de ti e não preserve verdade com mentiras, já que não se alimenta flor de plástico; tampouco se constrói templo na areia. Alce voo a cada mergulho; reconheça a proximidade da luz em cada sombra. E compreenda: Que tristeza não é punhal cravado. Que remédio é também amargo. Que é das entrelinhas da história da tua Alma que se revela o sentido maior do teu roteiro. Aproxima o outro em afeto e compaixão. Semeie sorrisos. E perdoa. Pois é neste exercício em que floresce a compaixão; consigo mesmo. Desconstrua tuas certezas; certa é somente a morte. Celebra o inevitável, e o porvir.
Sintonize em si, o teu Amor
Sintonizem-se, tuas verdades.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

O que mais precisa...

"Aprender é descobrir aquilo que já se sabe.
Fazer é demonstrar que você o sabe.
Ensinar é lembrar aos outros que eles sabem tanto quanto você.
Somos todos aprendizes, fazedores, professores.
Você ensina melhor o que mais precisa aprender. " (R. Bach)

Mea culpa...

"(...)Tenho uma mania chata de não aceitar não como resposta, sou do tipo confusa que sabe o que quer. Sou obcecada por verdades, desconfio dos que nunca sofrem, nunca se irritam e principalmente dos que nunca amam. Sou apaixonada pelos pequenos gestos, pelas pessoas que demonstram o que sentem, pelos que admitem que erraram. Bonito pra mim é quem se supera todo dia, quem segue em frente, quem arrisca de novo e de novo. Conversas fúteis me cansam, pessoas previsíveis não me atraem, mentiras me entristecem. Odeio quem ofusca meu sorriso com palavras pessimistas, quem não aceita que o outro possa ser feliz sem que ele também seja, quem acha que com sentimentos se brinca, quem não me acrescenta nada. Tenho uma força que ninguém tira e uma coragem que nunca me abandona, sou capaz de morrer de tanto chorar em um dia e no outro rir escandalosamente, porque foi vivendo que descobri que recomeçar é a melhor maneira de viver bem".
.
.
.
(Thaísa Schelles)

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Alívio...

"Assisti através da janela, ao sol nascer. E constatei, aliviado, mas também um tanto escandalizado, que ele nasceu de forma idêntica à de todos os dias da minha vida, apesar de tudo."
.
.
.
(Roberto Freire)

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Diferente...

Prisão...

"Todo o amor é uma prisão, minha querida, uma prisão inventada por nós contra a escancarada brutalidade da vida".

.
.
.

(Conto "Todo o amor", Inês Pedrosa)

domingo, 5 de setembro de 2010

Para que você leia...


"Te respondo, desta vez sem rodeios, sem repetições, da forma simples e sem grandes escândalos como acontecem as coisas mais espantosas, as coisas importantes: escrevo para que você me leia. Simples assim. Para que você me leia e volte, para que você me leia e pense que há algo surpreendentemente belo em mim, algo que você não viu, algo que passou por nós despercebido. Então, para ser mais clara, é possível?
.para que você me leia e ame".

.
.
.

(Flores Azuis, Carola Saavedra)

sábado, 4 de setembro de 2010

Oculta.

"E hoje, para guardar a mágoa oculta,
Canta, soluça - coração saudoso,
Chora, gargalha, a desgraça estulta".

(Poemas Esquecidos - 1901. Augusto dos Anjos)

Veneno...

"Você me provoca, você me pertuba. Joga água e sai correndo. Atira a pedra e me acerta de raspão. Me espia no escuro e mostra a língua. Me xinga. Me atiça. Invade o meu sossego. Meu refúgio. Pisa no meu ninho com os sapatos sujos. Na minha toca. Sem saber o meu tamanho, até onde vai meu bote, você me provoca achando que não há perigo. Sem conhecer a força da minha mordida, o tamanho dos caninos. Você me provoca sem esperar a picada. Sem saber que ainda não inventaram antídoto pro meu tipo de veneno..."
.
  .
    .
..Caio Fernando Abreu..

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Caçador...

"Eu prefiro as pessoas que conseguem ver o lado claro das coisas mesmo que todo dia anoiteça. Gente que se abala com os fatos sim, mas que não quer derrubar a estrutura do outro só pra vê-lo no mesmo nível em que estão. Com o tempo a gente aprende que todos têm o ônus e o bônus, mas poucos conseguem carregar dores e doçuras sem despejar em ninguém suas amarguras. Eu ainda acredito mais em sonhadores incuráveis do que em caçadores de mágoas".
.
.
.
(Fernanda Gaona)

Tristeza...

"A tristeza é um livro sábio que se tem no coração e que nos diz centenas de coisas (...) impede-nos de apodrecer como um cogumelo debaixo de uma árvore (...) pouco a pouco vai fabricando uma provisão de ensinamentos para a vida." (Juliusz Slowacki)

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

O monge que sabia voar...


Você não é nova aqui. Nunca foi. Você é mais do mesmo. Teu signo. Tuas reticências. O jeito que escreve. Você é meu padrão; minha história gasta. É a mesma casa velha de outrora que ouso decorar com teu nome; com tua cor. Mas que canta outras músicas, que prova outros pratos. E já que não consigo te matar, mantenho-te viva, pois você é a lição que ainda não aprendi. O erro que ainda não superei. É o livro de páginas repetidas em que encontro minha feiúra e minha verdade. Em que vomito meu azedume e banco o mocinho; que adoça a vida alheia. E o enredo que é teu, fala de mim. Do outro fruto que colhi, tens o mesmo gosto. Chamo pelo novo e é o velho que ecoa. Reconstruo o passado que se faz presente. E não consigo achar um final para você. Para nós dois. Você é a mesma que inevitavelmente me persegue e me encontra, já que andamos em círculo. Por saber meu endereço. Por saber em que canto de mim guardo meus segredos. E você vem sempre do mesmo jeito, mesmo que de outras formas, pra me lembrar que não estou aqui para reclamar, mas para transcender.

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Rosto...

"Se desejais chegar à casa da alma, buscai no espelho o rosto mais singelo".
.
.
.
(Rumi)

Adiar a vida...

"Não se pode ser infeliz,
não se pode morrer em vida,
não se pode desistir de amar,
de criar.
Não se pode: é pecado,
é proibido.
(...)
Não é possível adiar a vida".
.
.
.
(Caio Fernando Abreu)

Desejo...

"Viu o menino no dia do enterro do amigo supostamente comum aos dois. Apaixonou-se. Nunca mais viu aquele rosto, apenas lembrava-se dele em lágrimas doloridas supostamente comum aos dois. Começou matando Pedro, depois Raul: tinha esperança que o menino lindo aparecesse em outro enterro de defunto comum aos dois. Já havia matado a lista inteira de conhecidos que estava no enterro e ele não aparecia. Desesperada, louquinha de amor, mandou e-mails para todos os conhecidos avisando que se mataria às 14h do sábado - o enterro seria às 7h da manhã no domingo. Assim o fez. Nem ele e nem os amigos compareceram ao ato de piedade cristã".
.
.
.
(Edney Santana)